5 toques para fazer da masturbação feminina um hábito

Masturbação feminina – Foto: Getty Images

Por Gabriela Navalon

Esqueça a vergonha ou o sentimento de ‘culpa por estar fazendo algo errado’, você, definitivamente, não está.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

E é justamente por muitas mulheres não se tocaram que elas acabam não conhecendo o próprio corpo, explica a fisioterapeuta pélvica Ana Gehring. “Pensar na masturbação causa arrepios para algumas, porque elas têm medo e vergonha. Tem quem nunca tenha colocado o dedo dentro da vagina e nem sabe onde é o clitóris“, diz a especialista.

Mas o ato é natural e importante para entender como o seu corpo funciona, o que você gosta e não gosta. Não se preocupe: se masturbar é saudável e não tem nada de pecado. Confira 5 dicas para se libertar

Tente pensar mais em sexo

Para criar um hábito, é preciso pensar sobre ele e estimular a vontade de colocá-lo em prática. Por isso, pensar em sexo vai estimular seu cérebro e sua imaginação. “No início pode ser mais forçado, mas se a pessoa se acostuma e isso ajuda”, diz Carolina Carvalho. Com o tempo, esse tipo de ideia vai surgir com mais frequência e naturalidade também.

Leia mais: Lésbicas têm mais orgasmos que mulheres heterossexuais, diz estudo

Use livros, séries e filmes a seu favor

“Ler livros eróticos, séries e filmes também estimula e a masturbação vai ser a consequência de uma excitação, ao invés de acontecer forma mecânica”, recomenda a professora.

Aposte na hora de dormir

Além de melhorar o sono, a masturbação ajuda a relaxar. Depois de um dia longo, experimente o tempinho antes de dormir para isso. Que tal somar a dica anterior nesse momento?

Aproveite os momentos sozinha

Colocar a prática na rotina é o segredo de Ana Gehring, que aconselha a masturbação nos momentos em que se encontrar sozinha. “Fazer um autocuidado na hora do banho, por exemplo, quando pode-se fazer um carinho com o chuveiro ou durante os hábitos de higiene é interessante”, conta.

Não se limite

Homens costumam manter o hábito com mais facilidade por questões culturais, segundo Ana. “Desde pequenos eles se tocam, até para ajudar a mover a pele da glande e higienizar direito. Já para a mulher é tudo a mãe que faz, que limpa, que lava e acaba não deixando a criança colocar a mão por medo de machucar, de sujar, coisas assim…”, esclarece ela. Por isso, bateu vontade? Aproveite!