55% apontam responsabilidade de Bolsonaro em ataques golpistas, aponta Datafolha

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 05.10.2022 - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 05.10.2022 - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) é considerado responsável pelos ataques golpistas em Brasília por 55% da população, segundo pesquisa Datafolha. Os brasileiros com essa opinião se dividem entre os que acham que o ex-presidente teve muita responsabilidade (38%) e os que consideram que teve um pouco (17%).

Para 39%, ele não teve nenhuma responsabilidade nos ataques; 6% não sabem responder.

Bolsonaro disse em rede social que depredações "fogem à regra" da democracia e comparou o atentado a protestos da esquerda, em meio à discussão de que insuflou a rebelião por ter indicado apoio a manifestações de apoiadores diante de quartéis e jamais ter reconhecido abertamente a derrota eleitoral.

O levantamento do instituto mostra ainda que 45% das pessoas concordam com a afirmação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que Bolsonaro (a quem se referiu como "genocida") estimulou os atos violentos. Desses, 34% concordam totalmente com o petista, e 11% o fazem apenas em parte.

Entretanto um universo de 45% discorda da avaliação de Lula, sendo 31% os que divergem totalmente e 14% os que discordam dele em parte. Há ainda uma fatia de 2% que não concorda nem discorda com a afirmação do presidente e um grupo de 8% que não sabe responder.

No domingo (8), em seu primeiro pronunciamento após o levante, o atual chefe do Executivo disse que Bolsonaro sempre estimulou a invasão às sedes do STF (Supremo Tribunal Federal) e do Congresso e que só não incentivava que entrassem à força no Palácio do Planalto porque estava lá dentro. "Isso [ataque] também é da responsabilidade dele, dos partidos que sustentam ele", afirmou.

A pesquisa foi realizada nesta terça (10) e quarta (11), com 1.214 pessoas espalhadas pelo país. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações feitas para aparelhos celulares, usados por cerca de 90% da população. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

A grande maioria (96%) dos entrevistados tomou conhecimento dos eventos do fim de semana. Além disso, a maioria (93%) se declara contra a destruição dos prédios públicos ocorrida na capital federal.

O Datafolha também perguntou se a opinião que o entrevistado tem sobre Bolsonaro mudou ou continua a mesma após as cenas de insurreição e desprezo à democracia protagonizadas por simpatizantes do ex-presidente. A impressão de antes se manteve para 80% das pessoas, e 4% não sabem responder.

Para 16%, no entanto, a opinião pessoal sobre o ex-presidente se alterou. Desses, 11% dizem que ela mudou para pior, e 5% afirmam que foi para melhor. A tendência de prejuízo à imagem de Bolsonaro também tem ocorrido no ambiente virtual, com a popularidade dele caindo ao menor patamar desde 2019.

Apenas 2% dos entrevistados disseram participar de algum grupo de apoio a Bolsonaro no WhatsApp ou no Telegram. Os aplicativos de troca de mensagens foram usados para mobilizar caravanas para Brasília e organizar a marcha da selvageria rumo à praça dos Três Poderes.

Todos os que declaram estar em grupos bolsonaristas dizem ter votado no político de extrema direita em 2022.