56 - Governador de Santa Catarina recebeu R$ 2 milhões, afirmam delatores

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), recebeu R$ 2 milhões de forma não contabilizada para sua campanha ao governo em 2010, de acordo com dois delatores da Odebrecht que fecharam acordo com a Operação Lava Jato.

As citações e os documentos referentes ao caso foram remetidos pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), conforme despacho do último dia 4.

Os documentos foram tornados públicos pelo Supremo na noite desta terça-feira (11).

"Objetivava-se, como contrapartida e em caso de vitória eleitoral, o favorecimento do Grupo Odebrecht na área de saneamento básico", diz o despacho de Fachin com base na apuração da Procuradoria Geral da República.

Colombo elegeu-se governador de Santa Catarina em 2010 e foi reeleito em 2014.

De acordo com os delatores Fernando Luiz Reis e Paulo Roberto Welzel, ambos da Odebrecht, a negociação do repasse do dinheiro foi intermediada por Ênio Branco -que depois veio a ser secretário de Estado no governo de Colombo.

Os valores foram entregues, ainda conforme as delações, a José Carlos Oneda -hoje diretor de Finanças e Relações com Investidores da Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A.), empresa de economia mista do setor elétrico.

As suspeitas deverão ser investigadas no STJ porque, na condição de governador, Colombo tem foro perante aquela corte.