5G em SP: Entre 'choque' e frustração, duas paulistanas contam como foi o 1º dia com nova tecnologia

SÃO PAULO - O 5G chegou hoje à cidade mais populosa do Brasil com variações de sinal e de velocidade em diferentes bairros de São Paulo. Paulistas com celulares compatíveis com nova geração de telefonia móvel relataram ao GLOBO dificuldades para se conectar, principalmente em áreas residenciais e oscilações constantes para o 4G.

Alguns não viram diferença na qualidade da nova rede, mas aqueles usuários intensivos de tecnologia que experimentaram a conexão ultraveloz se disseram “chocados” com a melhora no desempenho. Foi o caso da psicóloga Clarissa Levy, de 29 anos, que testou o 5G hoje para ver conteúdo audiovisual em serviços de streaming:

Onde estão as antenas? Confira no mapa interativo localização dos equipamentos 5G de cada operadora

Internet superveloz: Veja os modelos de celular compatíveis com a rede no Brasil

— Eu não acreditava muito no 5G, achava que não ia mudar nada, que só ia mudar o número no G. Mas estou chocada. A Netflix carregou em um segundo. Abriu a tela e foi. O Globoplay está uma maravilha.

Clarissa usou o 5G no bairro nobre de Higienópolis, na região central de São Paulo, onde teve acesso a uma internet móvel de 223 megabits por segundo. A velocidade é mais de seis vezes superior à do 4G (que oscila, em média, entre 20 e 40 megabits por segundo) e favoreceu uma reunião em vídeo da qual a psicóloga participou ali.

— A imagem da videochamada funcionou bem, o som funcionou. Não ficou travando — contou a psicóloga, que tem um iPhone 13.

Apesar do melhor desempenho, a entrega do 5G ainda é inferior à velocidade máxima que o 5G pode alcançar: até 1 gigabit por segundo. Mesmo assim, Clarissa aprovou, mas não conseguiu se conectar ao 5G na Casa Verde, bairro onde mora, na Zona Norte, nem em Perdizes, onde trabalha, na Zona Oeste.

Não se deixe enganar: Como saber se o 5G que aparece no seu aparelho é o 5G 'puro'

Cobertura desigual nos bairros

O GLOBO testou o 5G nos bairros Aclimação, Higienópolis, Bela Vista, Vila Nova Conceição, Perdizes, Casa Verde, Itaim Bibi, República e Pinheiros. Em alguns bairros, o sinal do 5G teve desempenho até mesmo inferior ao da média do 4G. Foi o caso de República, Aclimação e Perdizes, em que o melhor resultado em um teste de velocidade da rede de dados foi de 10 megabits.

Já em Higienópolis, Bela Vista, Vila Nova Conceição e Pinheiros a velocidade foi superior aos 100 megabits. A tecnologia por trás da quinta geração de telefonia móvel demanda mais antenas no mesmo espaço que a do 4G. Com isso, a expectativa é que a expansão da nova rede melhore gradativamente a experiência dos usuários.

'Influencer' não teve boa experiência

O 5G é acessível apenas para os paulistanos que possuem um dos 71 modelos de smartphone compatíveis para operar no 5G puro que já foram lançados no país. A influenciadora digital Taynara Nunes, de 26 anos, é dona de um deles, o iPhone 12 Plus, mas teve dificuldades de desfrutar da nova tecnologia hoje.

— Está oscilando muito. Fica mais no 4G que no 5G. Para carregar está indo rápido. Só para subir (postar nas rede sociais) que demorou muito — diz a influenciadora, que não pensou na nova rede quando trocou de celular. — Eu não comprei para ter o 5G. Mas fiquei feliz, mesmo sem ter a intenção.

Taynara, que depende da internet para produzir e distribuir seus conteúdos, tem uma expectativa alta para a nova tecnologia. Ela também usa aplicativos de transporte e fica “furiosa” quando o celular fica sem sinal.

— Essas situações acontecem quando você precisa postar algo, quando você tem publicidade patrocinada com hora marcada. Eu fico bravíssima. Sem internet, você não faz nada — afirmou. — Como trabalho com as redes sociais, quando estou nas ruas postando ou afins, preciso da internet.

Ainda desconhecido, 5G estimula vendas

O GLOBO falou com mais de 20 pessoas nas ruas de São Paulo e a grande maioria não sabia que o lançamento do 5G era hoje. Ainda assim, a procura por celulares compatíveis com a nova tecnologia aumentou 230% no país entre janeiro e maio de 2022, segundo uma pesquisa da empresa de estudo de mercado GfK.

A alta está relacionada com a maior oferta de aparelhos aptos para o 5G por preços intermediários. Esses modelos já representam 30% das vendas de celulares nas lojas do Magazine Luiza, uma das maiores varejistas do Brasil. Segundo a rede, a procura pelos modelos vem crescendo progressivamente nos últimos meses.

Outra rede que registrou aumento dos aparelhos com tecnologia 5G foi a Fast Shop. O número de celulares compatíveis com a tecnologia vendidos já é maior que a de modelos mais simples na rede.

Em lojas da Fast Shop e das operadoras Vivo, Tim e Claro na região da Avenida Paulista, os vendedores tiveram a impressão de que a chegada do 5G a São Paulo ainda não é de conhecimento de todos, já que não houve aumento significativo da procura por celulares e chips para a nova tecnologia.

-- As principais dúvidas são sobre troca de chip e quais bairros estão cobertos. Mas hoje especificamente não houve maior procura por celulares compatíveis com a tecnologia -- afirmou Maycon Nake, consultor de tecnologia na Vivo.

Nas lojas das três operadoras, todos os chips vendidos já são habilitados para funcionar na rede 5G, explicaram os funcionários.

-- Hoje vieram quatro pessoas para comprar novos aparelhos e duas para trocar os chips. Para os próximos dias, fica a expectativa de um aumento no volume de vendas. Na nossa região, os clientes costumam ser muito tecnológicos e bem informados, então, acho que vamos acabar vendendo mais -- diz Antônio Rocha, sub-gerente da loja Claro que fica no shopping Pátio Paulista.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos