6 jogadores brasileiros que tiveram um auge curto e nunca mais jogaram o mesmo futebol

Nathalia Almeida
·3 minuto de leitura

Mais difícil que alcançar o topo, é se manter no topo. Esta máxima serve para muitos campos da vida, incluindo, obviamente, o esporte de alto rendimento.

A seguir, listamos 6 jogadores brasileiros que atingiram um nível alto de performances/rendimento e encantaram diferentes torcidas (até rivais) pelos gramados nacionais, mas que não conseguiram prolongar o auge de suas carreiras e logo caíram em declínio:

1. Luan

Corinthians and Palmeiras Play Behind Closed Doors for the First Match of the Sao Paulo State | Miguel Schincariol/Getty Images
Corinthians and Palmeiras Play Behind Closed Doors for the First Match of the Sao Paulo State | Miguel Schincariol/Getty Images

Luan teve duas grandes temporadas com a camisa do Grêmio até se sagrar 'Rei da América' em 2017, ano da conquista do tricampeonato da Libertadores pelo clube gaúcho. Protagonista daquele título, seu nome chegou a ser especulado em gigantes da Europa, incluindo o Liverpool. Mas toda essa 'badalação' parece ter tirado o melhor do camisa 7, que tenta se encontrar deste então: nem mesmo a transferência ao Corinthians, seu clube do coração, recuperou seu futebol.

2. Bernard

FBL-ENG-LCUP-FLEETWOOD-EVERTON | DAVE THOMPSON/Getty Images
FBL-ENG-LCUP-FLEETWOOD-EVERTON | DAVE THOMPSON/Getty Images

Bernard estourou com a camisa do Atlético-MG entre 2012 e 2013, jogando muita bola naquele Galo vice-campeão brasileiro e campeão continental no ano seguinte. Naquele momento, parecia que estávamos testemunhando o surgimento de um ponta para vestir a camisa da Seleção por longos anos, o que não se confirmou. Entre Shakhtar (UCR) e Everton (ING), a carreira do atacante não tem sido ruim, mas também não virou o que imaginávamos.

3. Lucas Lima

Vasco v Palmeiras - Brasileirao Series A 2019 | Wagner Meier/Getty Images
Vasco v Palmeiras - Brasileirao Series A 2019 | Wagner Meier/Getty Images

Cria do Santos, o armador teve anos muito impactantes com a camisa alvinegra entre 2015 e 2017, especialmente 2017, quando liderou o Brasileirão em passes-chave/assistências para finalizações. Foi neste contexto que o Palmeiras ofereceu alto para tirá-lo da Vila Belmiro, mas na Academia de Futebol, o meia nunca conseguiu emplacar uma temporada verdadeiramente impactante.

4. Paulo Henrique Ganso

Fluminense v Santos - Brasileirao Series A 2019 | Bruna Prado/Getty Images
Fluminense v Santos - Brasileirao Series A 2019 | Bruna Prado/Getty Images

O refinamento no passe e a visão de jogo apuradíssima ainda estão ali, definitivamente não se perderam. Mas a verdade é que o Ganso que encantou o futebol brasileiro na virada da década, com a camisa do Santos, já não existe mais há muito. Uma das explicações possíveis para o auge curto do camisa 10 está nas graves lesões sofridas por ele ainda muito novo, que minaram bastante seu processo de adaptação às demandas físicas e de intensidade do futebol europeu.

5. Gustavo Scarpa

Palmeiras v Ceara - Brasileirao Series A 2019 | Miguel Schincariol/Getty Images
Palmeiras v Ceara - Brasileirao Series A 2019 | Miguel Schincariol/Getty Images

Descoberto pelo Fluminense ainda muito garoto, o meia canhoto de muita habilidade passou por empréstimos até maturar e se mostrar pronto para assumir a dez do Tricolor. Quando o fez, brilhou: foi um dos grandes nomes do futebol brasileiro em 2017, sendo o maestro do time na temporada. O longo imbróglio jurídico que marcou sua despedida das Laranjeiras rumo ao Palmeiras, além de problemas físicos recorrentes, acabaram levando o atleta a um 'ostracismo' quase instantâneo.

6. Walter

FBL-LIBERTADORES-WILSTERMANN-PARANAENSE | AIZAR RALDES/Getty Images
FBL-LIBERTADORES-WILSTERMANN-PARANAENSE | AIZAR RALDES/Getty Images

Tecnicamente falando, não dá para questionar que Walter é diferenciado. Viveu seu auge entre 2012/13, quando defendeu a camisa do Goiás e encantou o futebol brasileiro pelo seu enorme poder de finalização e decisão. Ganhou Estadual e terminou o Brasileirão entre os melhores da competição, sendo premiado com a Bola de Prata. Infelizmente, os problemas extracampo e a dificuldade de se manter em forma tiraram o melhor do atacante rapidamente. Hoje, tenta se reencontrar pelo Furacão.