62% dos brasileiros estão preocupados com sua segurança on-line, mostra estudo da Kaspersky

Apesar da maioria dos brasileiros (62%) demonstrar preocupação com sua segurança on-line, 40% das pessoas ainda desconhecem como funciona a coleta de seus dados pessoais no ambiente digital. Para ajudar os internautas, a Kaspersky vai aproveitar o clima do futebol e explicar como driblar as ameaças de forma mais eficiente e antecipar perigos on-line ao adotar comportamentos proativos.

Para que os cibercriminosos cheguem aos gols — roubando dados ou dinheiro das vítimas — é necessário que eles furem suas defesas. Como já mostrado pela Kaspersky, 3 em cada 10 brasileiros ainda têm dificuldades em reconhecer mensagens falsas — portanto as pessoas acabam clicando em qualquer link sem se preocupar.

Mas como barrar um golpe que é uma mensagem fraudulenta, sem conseguir reconhecê-la como uma ameaça? Por exemplo, recentemente os internautas brasileiros receberam um link malicioso que pedia dados sensíveis prometendo o álbum de figurinhas — nesta situação, a primeira defesa deveria ser consultar se a promoção é verdadeira.

O passo a passo é simples. Para matar no peito, não clique em mensagens com promoções, seja no WhatsApp, redes sociais ou e-mail. Depois, verifique quem está enviando a mensagem — importante ter em mente que o roubo do WhatsApp é um golpe muito popular no Brasil, portanto desconfie mesmo que a pessoa seja conhecida. Os golpistas costumam explorar também nomes de empresas famosas, então fique de olho em erros de digitação ou edições que tornem o nome da marca estranho. E jamais responda ou compartilhe o link — não passe essa bola adiante.

Além do remetente, analise também para qual endereço/site o link está direcionando. Se a mensagem é de um banco, o site precisa conter o nome dele — o mesmo ocorre para promoções, descontos ou qualquer outra mensagem “urgente”. Essa etapa é importante para evitar marcar um gol contra.

Uma maneira de verificar se a mensagem/promoção/desconto é verdadeira é acessando o site oficial da empresa — mas para o gol valer, essa consulta precisa ser feita pelo navegador e digitando o site verdadeiro da organização mencionada. Caso o site — também pode ser perfil nas redes sociais — não contenha a informação desejada, é um indício de que se trata de uma fraude.

Se a pessoa tiver clicado na mensagem, é importantíssimo analisar o que está sendo solicitado. Foi prometido um desconto em troca de suas informações? Desconfie imediatamente e siga os passos para checar se a promoção realmente existe. Jamais informe dados pessoais, número do cartão de crédito ou suas senhas.

— Mesmo os mais vigilantes às vezes cometem erros, mas é importante sempre se manter alerta. Ninguém gosta de perder! As dicas valem mesmo para quem tem um programa de segurança instalado no celular ou computador, pois há golpes como o roubo do WhatsApp que não usam códigos maliciosos e, neste caso, o bom senso e conhecimento de segurança são suas únicas defesas. Agir corretamente garantirá a vitória sempre — comenta Fabio Assolini, diretor da Equipe Global de Pesquisa e Análise da Kaspersky na América Latina.