7 de setembro: Bolsonaro impede Bia Kicis de falar em discurso em Brasília

Bolsonaro impediu discurso de Bia Kicis neste 7 de setembro (Andressa Anholete/Getty Images)
Bolsonaro impediu discurso de Bia Kicis neste 7 de setembro (Andressa Anholete/Getty Images)
  • Deputada Bia Kicis teve negado seu pedido para discursar durante o 7 de setembro

  • Bolsonaro teria se irritado com a tentativa e brigado com a parlamentar sobre o trio elétrico

  • Discurso foi dominado Bolsonaro, com participação de Michelle, Luciano Hang e Silas Malafaia

O presidente Jair Bolsonaro (PL) discutiu com a deputada Bia Kicis e impediu que a parlamentar discursasse durante as comemorações de 7 de setembro nesta quarta-feira, em Brasília.

Segundo informações da coluna de Guilherme Amado no portal Metrópoles, a deputada do PL no Distrito Federal chegou a pedir ao presidente a palavra durante o discurso, ocorrido após o desfile militar.

A tentativa irritou Bolsonaro, que deu início a uma discussão, repetindo diversas vezes a palavra "não" para Kicis. A deputada ainda teria tentado argumentar, mas, no fim, limitou-se a pedir que o presidente parasse de brigar com ela.

Com a negativa a Kicis, o discurso na Esplanada dos Ministérios ficou apenas a cargo de homens e da esposa de Bolsonaro, Michelle.

Discursaram o pastor Silas Malafaia e o empresário Luciano Hang, alvo de operação da Polícia Federal no mês passado, além do próprio Bolsonaro.

O discurso de Bolsonaro

O discurso do presidente, aliás, ficou marcado pelo machismo ao pedir que o público entoasse com ele o coro de "imbrochável" e sugerir que as pessoas "comparassem as primeiras-damas", em alusão à esposa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Janja.

Em outro trecho da fala, Bolsonaro prometeu que vai "jogar dentro das quatro linhas da constituição" até a eleição, mas, momentos antes, chegou a admitir a apoiadores que uma nova ruptura democrática "pode se repetir".