7 de setembro de Bolsonaro teve exaltação própria, críticas a Lula e vaia no Maracanã

Jair Bolsonaro (PL) chegou ao Rio de Janeiro (RJ) para cumprir uma série de compromissos durante a comemoração do Bicentenário da Independência na cidade. REUTERS/Ricardo Moraes
Jair Bolsonaro (PL) chegou ao Rio de Janeiro (RJ) para cumprir uma série de compromissos durante a comemoração do Bicentenário da Independência na cidade. REUTERS/Ricardo Moraes

Após participação no desfile de 7 de setembro em Brasília na manhã desta quarta-feira (07), onde discursou para apoiadores na Esplanada dos Ministérios, o presidente Jair Bolsonaro (PL) chegou ao Rio de Janeiro (RJ) para cumprir uma série de compromissos durante a comemoração do Bicentenário da Independência na cidade.

A programação iniciou com uma motociata, que estava marcada para às 13h22. Após atraso de quase meia hora, Bolsonaro chegou ao ponto de encontro nas proximidades do Monumento dos Pracinhas, no Aterro do Flamengo. Ele foi recepcionado por motociclistas vestidos de verde e amarelo e seguiu em uma motocicleta com destino ao Forte de Copacabana, em um trajeto de cerca de 15 minutos de duração.

O bairro de Copacabana possui um apelo conservador expressivo, igualmente, como parte da história da cidade e em meio à campanha política de Bolsonaro. Por lá, um palanque foi montado para recepcionar o presidente e sua equipe, contando com a presença de políticos como o governador e candidato à reeleição Cláudio Castro e o deputado Daniel Silveira, que recentemente teve a candidatura ao senado cassada pelo TRE-RJ. Além deles, o empresário Luciano Lang, alvo de operação recente da Polícia Federal, esteve acompanhando Bolsonaro desde a manhã de quarta-feira.

Exaltação ao governo bolsonarista

Por volta das 16h30, após uma série de apresentações militares que contaram com esquadrilha da fumaça, desfiles de navios e paraquedistas, a multidão reunida ao longo da Avenida Atlântica ouviu o tão esperado discurso de Bolsonaro, feito de cima de um trio elétrico próximo ao Posto 5. O presidente utilizou o momento para exaltar uma visão positiva sobre a economia, a inflação, os recursos naturais e a situação climática no país.

“Costumo dizer: olhe o que Israel não tem e veja o que eles são. Agora, olhem o que nós temos e o que ainda não somos. Faltava acordarmos da letargia, da mentira, das palavras bonitas, mas de muita enganação sobre a sua população”, disse.

Em diversos momentos, Bolsonaro citou indiretamente o governo do ex-presidente e candidato à eleição Luiz Inácio Lula da Silva (PT), criticando discursos mentirosos, amizades com presidentes de países da América Latina e supostos roubos ocorridos durante momentos anteriores à atual gestão presidencial. Ele reforçou seu posicionamento contra o aborto, a legalização de drogas e ideologia de gênero.

Bolsonaro aproveitou ainda para pedir votos, ressaltando o trabalho de sua equipe com as políticas do Auxílio Emergencial, suas escolhas ministeriais, a defesa pela liberdade de expressão e sua preocupação com a religião. “Mais do que as questões materiais, nós nos preocupamos com a tradição do nosso povo. Somos um governo que sabe que nosso estado é laico, mas o seu presidente é cristão”.

Ataque ao STF e jogo do Flamengo

Seguindo a mesma abordagem que utilizou em Brasília, o presidente abriu espaço para criticar o Supremo Tribunal Federal (STF), contando com a participação e apoio ativo do público presente. Ele iniciou a fala citando um versículo bíblico, dando a entender que o seu Governo contribuiu para o conhecimento da população sobre seus críticos.

“Mostramos para vocês como funciona a presidência da república. Hoje vocês sabem também como funciona a Câmara dos Deputados, o Senado Federal e também o Supremo Tribunal Federal. O conhecimento nos faz ganhar alturas. O conhecimento garante a nossa liberdade”, comentou, dando espaço para vaias referentes às instituições.

Ao concluir a apresentação, o candidato à reeleição da presidência falou sobre a importância do retorno da discussão de política em praça pública e confirmou presença no jogo do Flamengo na Copa Libertadores, que acontece nesta quarta no Estádio do Maracanã. Seguindo uma tradição em seus discursos, Bolsonaro finalizou citando parte do slogan “Brasil acima de tudo”, deixando a multidão de apoiadores concluir a famosa frase.