7 de setembro: Lula foi orientado por médico a não ir a manifestações contra Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Brazilian former President (2003-2010) Luiz Inacio Lula da Silva gestures during a rally with the Bahia Negro Movement at the Senzala do Barro Preto, in Curuzu, Salvador, Bahia, Brazil, on August 26, 2021. (Photo by ARISSON MARINHO / AFP) / The erroneous mention[s] appearing in the metadata of this photo by ARISSON MARINHO has been modified in AFP systems in the following manner: [Brazilian former President (2003-2010) Luiz Inacio Lula da Silva] instead of [Brazilian former President (2003-2010) and presidential candidate Luiz Inacio Lula da Silva]. Please immediately remove the erroneous mention[s] from all your online services and delete it (them) from your servers. If you have been authorized by AFP to distribute it (them) to third parties, please ensure that the same actions are carried out by them. Failure to promptly comply with these instructions will entail liability on your part for any continued or post notification usage. Therefore we thank you very much for all your attention and prompt action. We are sorry for the inconvenience this notification may cause and remain at your disposal for any further information you may require. (Photo by ARISSON MARINHO/AFP via Getty Images)
Ex-presidente Lula ainda avalia se estará presente nos atos de 7 de setembro (Foto: ARISSON MARINHO/AFP via Getty Images)
  • Ex-presidente Lula foi orientado por Alexandre Padilha a não comparecer a manifestações de 7 de setembro

  • Padilha teme que presença de Lula gere aglomerações, o que poderia colocar o petista em risco, além dos próprios manifestantes

  • Lula se encontrou com organizadores dos atos e afirmou que ainda não sabia se estaria presente nas manifestações

O ex-presidente Lula (PT) foi orientado a não comparecer nas manifestações de 7 de setembro em razão da pandemia de covid-19. As orientações foram dadas pelo deputado Alexandre Padilha (PT-SP), que é médico e ocupou o cargo de ministro da Saúde entre 2011 e 2014, no governo de Dilma Rousseff.

“Em resumo, a pandemia não acabou”, disse à coluna Painel, da Folha de S. Paulo. Padilha acredita que a presença de Lula nas manifestações deve gerar aglomerações, em especial de pessoas que querem abraçar o ex-presidente.

Leia também:

A situação colocaria em risco Lula, a equipe do petista e também os manifestantes. Alexandre Padilha ainda avalia se ele mesmo deve participar dos eventos. Ele é profissional da saúde e disse que ficou exposto durante toda a pandemia.

“Durante toda a pandemia estive atendendo nas unidades de saúde, nos hospitais, me expondo permanentemente. Não parei de atender nas unidades de saúde junto com os alunos nem de atender as pessoas”, disse o ex-ministro à Folha.

Lula se encontrou com movimentos sociais que participam da organização dos atos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última terça-feira (31). O petista disse ainda não tinha decidido se participaria dos atos.

O petista já recebeu as duas doses da vacina contra a covid-19, mas nenhum imunizante tem eficácia de 100% contra infecções pelo coronavírus. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos