81% dizem já estar totalmente decididos sobre voto a presidente, mostra Datafolha

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O percentual de eleitores que dizem estar totalmente decididos sobre o voto para presidente chegou a 81%, segundo o Datafolha, que divulgou nesta quinta-feira (22) nova rodada de pesquisas eleitorais. Na da semana passada, o índice de entrevistados convictos era de 78%.

A certeza sobre a escolha é ainda mais elevada entre aqueles que optam por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL). Entre apoiadores do ex-presidente, 87% se declaram decididos (eram 86%) e, entre simpatizantes do atual mandatário, a taxa é de 88% (ante 86% na semana anterior).

Dos quatro principais presidenciáveis, Ciro Gomes (PDT) segue como aquele que tem o eleitorado mais volátil. Entre seus apoiadores, 54% afirmam que ainda podem mudar de voto, e 46% se dizem certos. Na semana passada, os valores eram de 52% e 48%, respectivamente.

No caso de Simone Tebet (MDB), 56% estão plenamente decididos e 43% admitem reconsiderar a escolha. Há uma semana, os percentuais eram de 47% e 52%, respectivamente, o que indica uma tendência de cristalização do voto entre aqueles que hoje optam pela senadora.

Na fatia de eleitores que pretendem votar em branco ou nulo, 64% estão totalmente decididos (eram 63%).

Na simulação de primeiro turno feita pelo instituto, Lula lidera, com 47% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro (33%), Ciro (7%) e Tebet (5%).

Feito entre terça (20) e quinta-feira (22), o levantamento tem margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O instituto ouviu 6.754 eleitores em 343 municípios. A pesquisa, contratada pela Folha de S.Paulo e pela TV Globo, está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-04180/2022. O índice de confiança é de 95%.

Entre homens, 14% ainda podem mudar de ideia sobre o voto (eram 18% uma semana atrás); entre mulheres, o índice de voláteis é de 23% (eram 24%). Entre pessoas de 16 a 24 anos, o índice também é considerável, de 31% (ante 34% na pesquisa anterior).

Os eleitores não convictos de Ciro migrariam em grande parte (38%) para Lula. Outros 18% iriam para Bolsonaro e 13%, para Tebet. Os apoiadores do pedetista são alvo de uma intensa campanha por voto útil, que busca convencê-los a optar por Lula já no primeiro turno, a fim de derrotar Bolsonaro.

A nova pesquisa traz uma mudança em relação ao candidato que teria a maior chance de receber o voto do eleitor, caso ele mude de ideia até o dia da votação. Lula passou a ser o presidenciável mais citado, com 21%, à frente de Ciro, que marca 20% e vinha aparecendo como o "plano B" mais citado.

No levantamento da semana passada, o ex-ministro era o depositário de 23% das preferências, e o ex-presidente registrava 20%. A pergunta sobre o nome em quem o entrevistado poderia votar só é feita à parcela que se diz não convicta sobre sua escolha --um universo de 18% atualmente.

Bolsonaro seria o predileto de 15% e Tebet, de 13%. Votaria em branco ou nulo uma parcela de 11%; 9% não sabem o que fariam.