84% dos leitores aprovam cobertura feita pela Folha do governo

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cobertura feita pela Folha de S.Paulo do governo, criticada por Bolsonaro, é aprovada por 84% dos leitores -eram 67% no ocaso do governo Temer, em 2018. Consideram-na regular 14% (eram 21%) e ruim ou péssima 2% (eram 11%). Na véspera do impeachment de Dilma, 77% achavam que a Folha fazia um trabalho ótimo ou bom, 16%, regular e 6%, ruim ou péssimo. Para 8% dos ouvidos agora, a Folha é mais crítica do que deveria ser sobre o governo (eram 29% em 2018 e 13% em 2016). O jornal é menos crítico do que deveria para 24% (10% e 14% no passado) e tem um tom na medida para 68% (60% e 71% antes). A virulência dos ataques do presidente à imprensa e à Folha, um dos alvos preferenciais de suas críticas, é amplamente condenada. Cresceu, de 2018 para cá, de 51% a 84% o número de leitores que dizem não ver razão nos ataques. Quem diz haver muita razão foi de 15% para 2%, e 13% veem um pouco de motivos para Bolsonaro (32% há pouco mais de dois anos). A avaliação quando a Folha está na mira é semelhante: 82% (45% antes) não veem motivo para ataques, 12% (30% em 2018) veem um pouco e 5% (22% antes) apontam muitas razões. A ideia de que as ações do presidente são uma ameaça à liberdade de imprensa no geral tem ressonância em 85% dos leitores (45% em 2018). Não acreditam nisso 15% (51% antes). Apontam risco à Folha 85% dos leitores (49% antes), e 14% não percebem isso (48% em 2018). Em comparação com o momento posterior à eleição de Bolsonaro, o leitorado se deslocou para a centro-esquerda de forma mais sensível. Em novembro de 2018, 20% se diziam nessa faixa política; agora são 43%. Houve estabilidade em quem se diz de esquerda (14% e 12% agora), centro (24% e 23%) e centro-direita (20% e 16%). Os dois turbulentos anos de Bolsonaro no poder afetaram a atratividade da direita, cuja autodeclaração pelos leitores foi de 19% a 5%. O Datafolha perguntou como o leitor percebe a posição política da Folha. Para 4%, o jornal é de esquerda (14% em 2018), 28% (24%) acham que está na centro-esquerda, 33% (25% antes) no centro, 28% (21%) na centro-direita e 4% (12%) na direita. Acham que o jornal deveria estar à esquerda 5% (6% antes). Na centro-esquerda, 31% (19%); no centro, 41% (38%); na centro-direita, 14% (18%), e na direita, 4% (12%).