9 PMs são presos por sequestrar e extorquir dinheiro de traficantes no RJ

Na casa de um dos PMs, Anderson Santos Orrico, foram encontrados R$ 96 mil (Foto: Reprodução/TV Globo)
Na casa de um dos PMs, Anderson Santos Orrico, foram encontrados R$ 96 mil (Foto: Reprodução/TV Globo)

Resumo da notícia

  • Operação Mercenário prendeu 9 PMs nesta quinta-feira no Rio de Janeiro

  • Ação tinha como alvo 11 policiais militares

  • Na casa de um dos PMs, foram encontrados R$ 96 mil em espécie

Nove policiais militar foram presos nesta quinta-feira (26) no Rio de Janeiro, durante a Operação Mercenários, realizada pelo Ministério Público do RJ e pela Corregedoria da PM. Segundo informações do portal g1, a ação procurava 11 policiais militar, acusados de corrupção, tortura, peculato e concussão (quando um funcionário público usa o cargo para ter vantagens indevidas).

De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, os PMs envolvidos sequestravam criminosos, praticavam tortura e pediam pagamento pelo resgate deles. Além disso, o grupo de policiais também suspeito de vender armas, vazar informações sobre operações e fazia tocaias para surpreender traficantes.

Segundo o g1, um dos casos citados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro é referente ao chefe do tráfico no Cantagalo/Pavão-Pavãozinho, Léo Marirnha. Quatro PMs exigiram R$ 1 milhão para não o prender.

Alguns dos investigados são André Araújo de Oliveira, tenente-coronel e comandante do 15º BPM, em Duque de Caxias, Anderson Santos Orrico, capitão e o chefe do Serviço Reservado (P2) do mesmo batalhão. Os dois foram alvo de mandados de busca e apreensão e, na casa de Orrico, a operação encontrou R$ 96 mil.

Os seis presos identificados foram:

  • Adelmo da Silva Guerini Fernandes

  • Antônio Carlos dos Santos Alves

  • Marcelo Paulo dos Anjos Benício

  • Mário Paiva Saraiva

  • Oly do Socorro Biage Cei de Novaes

  • Vitor Mayrinck

Os outros três não tiveram a identidade revelada.

A Secretaria de Estado de Polícia Militar afirmou que está colaborando com a investigação.

“A secretaria e o MPRJ atuam conjuntamente para cumprimento de mandados de prisão e mandados de busca e apreensão em desfavor de policiais militares”, disse a corporação em nota, divulgada pelo g1. “Preventivamente, o comandante do 15º BPM foi afastado da unidade visando à isenção no andamento do caso. A Polícia Militar não compactua com desvios de conduta e tem como objetivo a apuração dos fatos.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos