Ação de Flávio Bolsonaro gera crítica na Receita e auditores falam em proteção 'a amigos do rei'

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASILIA, DF,  BRASIL,  01-06-2021,  O senador Flávio Bolsonaro participa da cerimônia. O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do vice presidente Hamilton Mourão, do presidente da Caixa Pedro Guimarães e do ministro Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil), durante evento sobre patrocínio da Caixa ao esporte brasileiro, no Palácio do Planalto. Bolsonaro declarou que no que depender do governo federal, a Copa América será realizada no Brasil. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, BRASIL, 01-06-2021, O senador Flávio Bolsonaro participa da cerimônia. O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do vice presidente Hamilton Mourão, do presidente da Caixa Pedro Guimarães e do ministro Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil), durante evento sobre patrocínio da Caixa ao esporte brasileiro, no Palácio do Planalto. Bolsonaro declarou que no que depender do governo federal, a Copa América será realizada no Brasil. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A tentativa de interferência de Flávio Bolsonaro na nomeação do corregedor da Receita Federal tem encontrado resistência entre auditores.

Kleber Cabral, presidente do Sindicato Nacional dos Auditores da Receita, disse à coluna Painel, da Folha de S.Paulo, que o setor é sensível e não pode ter ingerência política.

“A corregedoria da Receita Federal, uma das mais sensíveis áreas do órgão, não pode ser ocupada por indicação política para que não haja caça às bruxas nem proteção aos amigos”, afirmou.

Como mostrou a Folha de S.Paulo, Flávio Bolsonaro tenta emplacar o auditor fiscal aposentado Dagoberto da Silva Lemos na corregedoria.

O senador tem interesse no Fisco para tentar destravar uma tese de sua defesa de que houve acesso ilegal a seus dados fiscais na investigação sobre rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Na última semana, o Sindifisco cobrou de José Barroso Tostes Neto, secretário especial da Receita, uma posição sobre as suspeitas de interferências.

Segundo os auditores, após circular a notícia sobre a interferência de Flávio, a entidade apurou que o nome de outro servidor foi indicado para o cargo de corregedor. Entretanto, a nomeação teria sido assinada pelo ministro Paulo Guedes (Economia), mas não chegou a ser publicada.

O senador nega participação na escolha e diz que cabe ao presidente da República a indicação do corregedor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos