Ação na Justiça pede bloqueio de bens no espólio de investidor assassinado em porsche na Região dos Lagos

·2 min de leitura

Uma firma de advogados de Cabo Frio, representando um cliente de Mato Grosso, protocolou na última semana uma ação no Tribunal de Justiça em que cobram R$ 170 mil do espólio de Wesley Pessano Santarém, investidor em criptomoedas assassinado dentro de Porsche na Região dos Lagos. Na ação, também é pedido o bloqueio de bens e valores de outros quatro envolvidos, pessoas físicas e jurídicas, com a ação de Pessano nas empresas de investimento.

Na petição inicial, os advogados narram que o cliente é um engenheiro recém-formado que conheceu a atuação de Pessano em redes sociais e chegou a fazer cursos de investimentos em criptomoeadas com o trader assassinado. Com a promessa de retorno de 10% dos valores investidos ao mês, o engenheiro pediu os valores emprestados à mãe, uma servidora pública que guardava a quantia em uma previdência privada. Com interesse no investimento os dois viajaram à Cabo Frio, sede da empresa Ares Consultoria, onde conheceram pessoalmente Pessano e então decidiram fazer o investimento.

— Não conseguimos localizar o espólio e na regra ele deveria ser aberto em Cabo Frio, sua última residência. A perspectiva é que tenha R$ 17 milhões nas contas de Pessano — conta o advogado Luciano Regis, que representa o engenheiro, que também pediu o bloqueio das contas da empresa Ares.

Apesar de terem sido feitos dois depósitos no montante de R$ 170 mil no começo de julho, os advogados afirmam que a empresa não enviou nenhum contrato assinado para os dois. Quase um mês depois, Wesley Pessano foi assassinado e os contatos da empresa foram cada vez mais raros e atualmente não há previsão da devolução da quantia.

— Essa família saiu do interior de Mato Grosso sendo convencidos a fazer o investimento. É dinheiro construído durante uma vida e não receberam nenhuma parcela do investido. Uma advogada ainda tentou captar a mãe do meu cliente para ser consultora da empresa — conta o advogado Luciano Regis, que representa o engenheiro.

Na ação, Regis ainda pede o acesso gratuito a Justiça para seu cliente, alegando que ele é um engenheiro recém-formado e não possui possibilidade de pagar as custas do processo. Isso porque o valor do investimento ainda é fruto de um empréstimo dele com a mãe.

A ação ainda pede uma indenização por danos morais no valor de R$ 30 mil por entender que o engenheiro foi vítima de constrangimento. Também foi pedido o pagamento de uma multa de 30% em relação ao montante investido:

"Os Réus expuseram o Autor a um constrangimento ilegítimo, pois foram induzidos ao erro, levados a acreditarem que estavam contratando serviços legítimos de terceirização de trading em criptoativos, mas na realidade, era uma fachada para o desenvolvimento de esquema criminoso", diz trecho da ação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos