Ação do Nova Escola: Sepe oferece canal de denúncia para servidor alvo de estelionatário

O Sindicato dos Profissionais da Educação do Estado do Rio (Sepe) voltou a denunciar que servidores que estão inscritos nos processos Nova Escola "Aposentados" e Nova Escola "Ativos" vêm sendo vítimas de estelionatários — ou sendo assediados por terceiros — que estão usando o nome do sindicato indevidamente.

A entidade esclarece que os processos movidos por seu departamento jurídico em nome da categoria não acarretam custo para os profissionais de Educação. "Não solicitamos qualquer tipo de depósito ou transferência em dinheiro para dar andamento às referidas ações", explicou a entidade.

Caso o servidor sofra ou tenha sofrido um assédio desse tipo, o Sepe pede que a pessoa entre em contato e forneça nome completo, número do documento de identificação, telefone e e-mail para que o sindicato faça a denúncia às autoridades competentes.

Os dados podem ser encaminhados pelo e-mail criminalsepe@gmail.com, preferencialmente sinalizando o nome do associado no título, seguido do assunto 'GOLPE NOVA ESCOLA".

Para o Sepe, prints da conversa ou do e-mail recebido dos estelionatários ou o comprovante da operação bancária (caso já tenha sido vítima) servem como provas do golpe.

Entenda

As ações do Nova Escola são uma vitória do Sepe. A juíza Alessandra Cristina Tufvesson, titular do Cartório da 8ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), homologou um acordo firmado entre o sindicato, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e a Secretaria estadual de Educação (Seeduc) para o pagamento da ação.

Essas pessoas foram habilitadas no processo aberto em 2005 pelo Sepe. Mas a amioria ainda não havia recebido os valores a que têm direito. Isso porque o pagamento dos grupos de beneficiados estava com a execução suspensa desde 2016, por causa de recursos da PGE. Mas, com a homologação do acordo, os pagamentos já estão sendo liberados.