Ações da BRF disparam, após notícia de que JBS quer avançar sobre controle da empresa

·4 minuto de leitura

RIO — Os papéis ordinários da BRF (BRFS3, com direito a voto) chegaram a disparar no mercado pela manhã, após nota do colunista Lauro Jardim, informar que a JBS, auxiliada pelo BTG Pactual, estuda um contra-ataque com o objetivo de avançar sobre o controle da BRF.

O movimento ocorre depois que a Marfrig, de Marcos Molina, ter surpreendido o mercado ao se transformar na maior acionista individual da BRF.

Na máxima, chegaram a R$ 31,98, alta de 14,4%. No entanto, o movimento logo foi arrefecido.

Por volta de 11h24, os ativos subiam 0,82%. Os ordinários da JBS (JBSS3) tinham queda de 0,40% e os da Marfrig (MRFG3), de 1,29%. O índice Ibovespa cedia 0,27%, aos 129.720 pontos.

O analista de Research da Ativa Investimentos, Sérgio Berruezo, ressalta que para comprar o controle da BRF, a JBS teria de de cumprir a regra do poison pill, que obriga qualquer acionista que atinja 33% do capital da companhia a fazer uma oferta pública de aquisição para todos os acionistas da BRF.

— Isso implicaria num desembolso de caixa enorme, equivalente a um prêmio em cima do valor de mercado da BRF.

Ele ainda destaca os possíveis entraves de uma eventual negociação e que ainda é cedo para tirar conclusões.

— Enxergamos um possível entrave com o CADE, caso a JBS decida realmente ir adiante com essa operação, uma vez que ela já controla a Seara, principal concorrente da BRF. Não há fontes oficiais sobre o assunto, nem declarações das empresas envolvidas, portanto ainda é cedo para chegar a quaisquer conclusões sobre o caso.

Dólar sobe

Já o dólar operava com leve alta ante o real no início desta sexta-feira, acompanhando a movimentação vista no exterior.

Após a divulgação de dados sobre a inflação doméstica e nos Estados Unidos, os investidores já se preparam para as reuniões sobre política monetária de bancos centrais que ocorrem na próxima semana.

Por volta de 11h, a moeda americana era negociada a R$ 5,08, alta de 0,47%.

Os números de inflação e pedidos de seguro-desemprego nos EUA deram algum alívio para a discussão sobre a retirada de estímulos monetários pelo Federal Reserve, banco central americano, antes do esperado.

No entanto, esse risco ainda segue no radar dos agentes de mercado, que continuarão acompanhando as sinalizações de membros do banco.

“O mercado havia ficado excessivamente posicionado e preocupado com uma inflação nos EUA mais elevada, e sem surpresas positivos mais visíveis, parece estarmos passando por um período de acomodação do “tema inflação”, disse o CIO da Tag Investimentos, Dan Kawa, em blog

No cenário interno, os agentes de mercado reagem a números sobre o setor de serviços.

Segundo o IBGE, o setor teve avanço de 0,7% em abril, na comparação com março. Depois de uma queda brusca em março, os serviços tentam engatar uma trajetória de recuperação, mas ainda em passos lentos.

“Esperamos uma abertura de viés positivo para ativos de risco locais, beneficiados pelo ambiente externo favorável, mas ainda com desempenho condicionado à agenda econômica”, escreveram analistas da Guide Investimentos, em nota matinal.

Falha técnica na Bolsa

Na Bolsa as ordinárias da Petrobras cediam 0,07% e as preferenciais (PETR4, sem direito a voto) tinham alta de 0,03%.

As ordinárias da Vale (VALE3) subiam 1,51%, impulsionadas pela alta do preço do minério de ferro negociado na China. As ordinárias da Siderúrgica Nacional (CSNA3) subiam 1,87% e as preferenciais da Usiminas (USIM5), 0,80%.

Nas altas, os papéis ON da Embraer seguiam a tendência do dia anterior, quando avançaram mais de 15%, e subiam 4,30%.

A B3 comunicou que uma falha no sistema prejudicou a liquidação de operações no mercado. A Bolsa informou que registrou na quinta-feira, problemas nos sistemas que fazem a integração entre suas plataformas de Negociação e a Clearing.

"O incidente gerou impacto para os participantes do mercado decorrentes de atrasos nos procedimentos de pós-negociação, como são chamadas as rotinas realizadas após o encerramento do horário normal de negociação dos mercados.", disse a B3 em nota oficial.

A B3 disse que segue monitorando o incidente e continuará trabalhando nas rotinas de pós-negociação relativas ao pregão de quinta-feira.

Bolsas no exterior

Nos Estados Unidos, as bolsas estendiam os ganhos do dia anterior. Por volta de 11h08, no horário de Brasília, o índice Dow Jones subia 0,14%. No S&P, a alta era de 0,13% e, em Nasdaq, de 0,16%.

Na Europa, as bolsas operavam em alta. Também por volta de 11h08, em Brasília, a Bolsa de Frankfurt subia 0,75% e a de Paris, 0,85%.

A Bolsa de Londres subia 0,56%. Os investidores reagem à divulgação do PIB britânico que cresceu 2,3% em abril, em relação a março.

Esse foi o crescimento mais rápido desde julho do ano passado, sendo puxado pelo setor de serviços.

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, terminou estável. Em Hong Kong, houve leve alta de 0,4% e, na China, queda de 0,6%.

No acumulado da semana, Tóquio teve alta de 0,02%. Em Hong Kong, houve baixa de 0,26% e no mercado chinês, de 0,06%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos