Ações de empresa da Embraer que desenvolve 'carro voador' despencam em estreia na Bolsa de Nova York

SÃO PAULO - A start-up Eve Air Mobility, empresa controlada pela fabricante de aviões Embraer que tem como missão desenvolver 'carros voadores', estreou nesta quarta-feira na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) com forte queda, de 18,73%, em suas ações. Os papéis abriram o pregão cotados a US$ 10,656 e terminaram o dia precificados a US$ 8,66.

No ar: 'Carros voadores' prometem tomar os céus a partir de 2025, mas ainda não há regras para essa nova forma de viajar

Para analistas, a abertura de capital da Eve é importante porque dá fôlego financeiro à empresa para desenvolver seu projeto de eVTOLs (veículos de pouso e decolagem vertical) em um ambiente de alta competitividade. Entretanto, o ambiente de juros em alta e as incertezas em relação desenvolvimento de um setor de mobilidade urbana aérea devem trazer volatilidade às ações da Eve no curto prazo.

A Eve entrou na Nyse por meio de uma fusão com a Zanite Acquisition, uma empresa americana de aquisição de propósito específico (SPAC), ou seja, que nunca teve objetivo de ter atividade, e sim de contar com a expertise de seus gestores e com os recursos levantados na abertura do capital (IPO) para fazer uma fusão ou aquisição com alguma empresa operacional. Outras concorrentes da Eve, como a Lillium (em setembro de 2021) e a Vertical (em dezembro de 2021), abriram o capital por meio de SPACs.

A start-up esperava levantar US$ 542 milhões com o negócio, mas conseguiu US$ 377 milhões. Analistas do Itaú BBA afirmam em relatório que a empresa vai precisar de mais capital para conseguir viabilizar seu projeto de eVTOL. O valor de mercado da Eve ficou em 2,37 bilhões, superior a outras empresas do segmento.

Mercado competitivo: A nova disputa entre Boeing e Airbus: quem vai lançar um carro voador primeiro

"Em dezembro de 2021, a Embraer anunciou que a Eve precisaria de US$ 540 milhões (...) para implantar seu plano, o que significa que a companhia provavelmente terá de levantar capital antes que o seu eVTOL esteja pronto para ser comercializado (o que é esperado para 2026). Embora acreditemos que invstidores possam entrar à medida que a Eve conseguir atingir marcos, a dependência de mais injeção de capitais aumenta o risco de se investir na Eve", diz o relatório, assinado pela analista Thais Cascello e analistas.

Para Clara Costellini, diretora da área de fusões e aquisições da Urca Capital Partners, a transação ficou aquém do esperado, embora tenha sido positiva para a Eve.

- A transação levantou menos do que o esperado em boa medida porque as SPACs, que foram muito populares no mercado no passado, têm caído no cenário atual, muitas ações estão sendo resgatadas, aconteceu isso com outras companhias do setor, que enfrentaram queda na Bolsa - afirma Clara.

- O caixa da Zanite, esperado em US$ 237 milhões, não se confirmou e ficou na casa dos US$ 20 milhões, o que também influenciou. A participação final da Embraer no negócio, prevista em 80%, ficou em 90%. No geral, apesar disso, é uma boa transação. A Eve tem a expertise da Embraer e com a fusão com a Zanite ganha fôlego financeiro - afirma a analista.

Analista da Guide Investimentos, Rodrigo Crespi diz que a Eve provavelmente vai enfrentar volatilidade em seus papéis em um futuro próximo.

- As ações abriram em queda e devem enfrentar esse cenário no futuro, foi assim com pares como a Lilium e a Vertical. A Eve vem mais esticada, com valor de mercado esticado (maior do que o que seria razoável), caro. Ela desenvolve um novo tipo de veículo, de um mercado que tem potencial, mas o mercado está menos disposto a arriscar devido ao ambiente mais contracionista de política monetária, com juros em alta - afirma Crespi.

Segundo Crespi, a tendência é de que caso haja novo aumento de taxa de juros nos EUA, o cenário ficaria ainda pior para a Eve.

- Ainda assim, entre as empresas que buscam desenvolver um mercado para eVTOL, as empresas listadas estão mais na frente e a Eve tem a expertise da Embraer, que tem longo histórico no desenvolvimento de aeronaves e é líder no mercado americano de jatos regionais, até 150 assentos. Temos de ter em mente que o protótipo precisa ser entregue e a falta de capital para concluir o eVTOL é um risco. Como os contratos de compra ainda não são vinculantes, também pode haver desistências - explica ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos