Ações europeias marcam 3ª queda trimestral consecutiva em meio a temores de recessão

Salão da Bolsa de Valores de Frankfurt

Por Devik Jain e Amruta Khandekar

(Reuters) - As ações europeias subiram nesta sexta-feira, mas tiveram fortes perdas no acumulado de um trimestre marcado pelo aumento das taxas de juros e piora do sentimento de risco, conforme dados de inflação elevados da região mantiveram investidores nervosos.

O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em alta de 1,30%, a 387,85 pontos, mas reduziu brevemente alguns ganhos da sessão depois de dados mostrarem que a inflação da zona do euro superou previsões e foi a 10,0% em setembro, uma nova máxima recorde.

Os números da inflação alimentaram expectativas de outro grande incremento da taxa de juros pelo Banco Central Europeu (BCE).

Todos os setores do STOXX terminaram o dia em território positivo, depois que uma caça às pechinchas impulsionou os ganhos entre as combalidas ações de varejistas, petróleo e gás e bancos.

O índice STOXX 600 recuou 4,8% durante o período de julho a setembro, o que marca seu terceiro declínio trimestral consecutivo, sua maior sequência de perdas desde 2011.

Os mercados estão agitados desde que a guerra entre Rússia e Ucrânia sacudiu a região e elevou os preços do gás, levando a uma inflação crescente, o que provocou aumentos agressivos de juros por parte dos bancos centrais e preocupações com uma subsequente desaceleração do crescimento.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,18%, a 6.893,81 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 1,16%, a 12.114,36 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 1,51%, a 5.762,34 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 1,45%, a 20.648,85 pontos. Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,91%, a 7.366,80 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,20%, a 5.302,76 pontos.