Aécio anuncia ter desistido de disputa ao Senado por reeleição à Câmara

O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) anunciou nesta quinta-feira que decidiu se candidatar à reeleição. Em um vídeo divulgado nesta tarde, o tucano afirmou que preferiu abrir mão de concorrer ao Senado para fortalecer a aliança que tem no estado com o PDT, de Ciro Gomes.

Aécio vinha aparecendo à frente das intenções de voto nas pesquisas regionais ao Senado, o que fez com o que deputado, que já ocupou uma cadeira na Casa Alta brasileira, pensasse em lançar uma candidatura para voltar a ser senador. Agora, segundo afirmou, disputará mais uma vez uma cadeira na Câmara em prol da aliança firmada com o PDT, que indicará o vereador Bruno Miranda à vaga na chapa majoritária do candidato tucano ao governo de Minas, Marcus Pestana.

— Nesse momento, estou abrindo mão da disputa para o Senado para que o PDT, através do vereador Bruno Miranda, possa ocupar essa vaga e, ao nosso lado, construir uma candidatura clara, limpa, corajosa, ousada e preparada para que Minas possa ser a Minas de nosso tempo — disse Aécio, que também afirmou: —A partir de uma ampla reflexão que nós fizemos, optei por fortalecer a candidatura do companheiro Marcus Pestana e fortalecendo a nossa aliança que já existe na federação com o Cidadania, agora também com o PDT.

Ao anunciar que abriria mão da candidatura ao Senado, Aécio afirmou que recebeu apelos para que disputasse uma cadeira na Casa e lembrou que foi como senador que concorreu à Presidência em 2014, ocasião em que foi derrotado pela presidente à época Dilma Rousseff (PT).

— Provavelmente, muitos desses que se manifestaram favoravelmente a essa candidatura se lembram que foi no Senado da República, como senador por Minas Gerais, que eu construí um projeto presidencial, uma candidatura à Presidência da República, que por muito pouco não foi vitoriosa e, acreditem, teria mudado de verdade esse país — disse.

No anúncio, Aécio não poupou críticas ao próprio partido por não ter candidatura própria à Presidência. O deputado era defensor de que o PSDB lançasse um nome tucano ao Planalto e foi contrário à aliança nacional que sigla fez com o MDB para apoiar a campanha presidencial da senadora Simone Tebet (MDB-MS).

— Tenho aqui que registrar que lamentavelmente o meu partido, o PSDB, nessas eleições cometeu um grave equívoco ao não apresentar uma candidatura à Presidência da República que pudesse demonstrar que existe vida inteligente fora dos dois polos que hoje disputam de verdade a Presidência da República — afirmou Aécio, sem citar o nome do presidente, Jair Bolsonaro (PL), e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos