Aécio deixa a comissão do voto impresso após PSDB se posicionar contra a proposta

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA - Os partidos contrários à adoção do voto impresso no país seguem fazendo alterações na comissão especial que trata do assunto na Câmara. Após pressão de seu partido, o deputado Aécio Neves (PSDB-MG) anunciou nesta quinta que deixa esse colegiado. O presidenciável derrotado nas eleições presidenciais de 2014, que recorreu à Justiça Eleitoral suspeitando de fraude na vitória de Dilma Rousseff, defende a adoção do voto auditável já nas eleições de 2022, em pelo menos 3% das urnas eletrônicas. A decisão de Aécio, somada a outras defecções na comissão, pode ser uma pá de cal nas pretensões do Palácio do Planalto em aprovar a proposta.

O deputado, em nota, demonstrou sua indignação com a posição do presidente de seu partido, Bruno Araújo, que anunciou ser contrário ao voto impresso. Aécio afirmou que essa era uma bandeira do partido.

"Surpreendeu-me que o partido tenha, agora, pela voz do nosso presidente, sem debate mais profundo na legenda, passado a defender posição oposta àquela defendida pelo partido até pouco tempo atrás", afirmou Aécio Neves.

Várias alterações feitas por partidos na composição da comissão nas últimas semanas mudaram a tendência de votação, que era favorável ao voto impresso. Após anúncio coletivo de onze presidentes de partidos, entre os quais Araújo, o cenário mudou. Deputados a favor dessa emenda à Constituição foram trocados e, agora, essa movimentação atingiu Aécio.

A votação do relatório de Filipe Barros (PSL-PR), favorável ao voto impresso, foi adiada duas vezes. A razão é a falta de consenso e a derrota anunciada. O presidente da comissão, Paulo Martins (PSC-PR), é favorável à proposta, mas reconhece não ter maioria mais no colegiado.

Aécio Neves disse ainda que o debate sobre o aprimoramento das urnas eletrônicas está "extremado", de um lado o governo federal e de outro os que não aceitam qualquer mudança no atual sistema de votação. Também na nota, o parlamentar cutucou lideranças de seu partido, que, poucos anos atrás, defendiam o voto impresso.

"Em 2015, o PSDB comunicou formalmente à população, pela voz de alguns de seus principais líderes, o resultado de estudo conduzido por renomados especialistas na matéria que as urnas eletrônicas eram inauditáveis e se posicionou, pela unanimidade de seus deputados e senadores presentes, pela derrubada do veto da ex-presidente Dilma e, portanto, pela introdução do voto auditável de papel acoplado à urna eletrônica", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos