"A Confissão": 3º filme sobre o caso Richthofen é confirmado e detalha prisão dos envolvidos

Terceiro filme sobre o caso Richthofen já foi gravado (Foto: Divulgação)
Terceiro filme sobre o caso Richthofen já foi gravado (Foto: Divulgação)

Agora é oficial: o terceiro filme sobre o caso Richthofen está confirmado! Carla Diaz e Leo Bittencourt, protagonistas do longa, divulgaram a informação nas redes sociais nesta segunda-feira (12).

Ao Yahoo, Leo Bittencourt celebrou o trabalho, mas afirmou que ainda não existe data para a estreia. "Tô feliz em poder divulgar a continuação dos filmes. A trama mostra o desdobramento das investigações que culminou na prisão dos envolvidos e era algo que todo mundo queria ver", diz o ator.

"A Menina Que Matou os Pais" e "O Menino que Matou Meus Pais" ficaram entre os filmes mais assistidos do Prime Vídeo por dois meses. Já "A Confissão", que acaba de ser gravado, mostrará detalhes da investigação e a esperada prisão de Suzane von Richthofen e Daniel Cravinhos, condenados pelo assassinato do casal Manfred e Marísia von Richthofen.

Os filmes anteriores

"A Menina que Matou os Pais" é um filme sobre como Suzane, vivida por Carla Diaz, que aos poucos envolve Daniel, interpretado por Leonardo Bittencourt, numa narrativa de monstruosidade dos pais, que faça com que ele resolva "salvá-la".

"O Menino que Matou Meus Pais", se concentra em mostrar Daniel como um alpinista social que seduz Suzane e que, diante das dificuldades criadas pelos pais dela, resolve eliminá-los. A ambição e jeito malicioso do rapaz são colados em primeiro plano com múltiplas sequências de chantagem emocional.

Não, Suzane não receberá dinheiro ou qualquer bonificação pelo filme

Ao contrário do que algumas pessoas pensam, Suzane não teve nenhum envolvimento com a produção dos filmes. O roteiro é da dupla Ilana Casoy e Raphael Montes, autores de "Bom Dia, Verônica" e a direção é de Mauricio.

As tramas foram construída a partir de relatos que Suzane e Daniel deram à Justiça. Cada um dos filmes traz a visão de um dos envolvidos no assassinato.

Também não há Lei Rouanet na parada

Produzida pela Santa Rita e distribuída para a Prime Video, as obras foram produzidas 100% com investimento privado, sem recursos governamentais. A ideia era lançar os filmes também nos cinemas, mas a pandemia frustrou os planos da produção na época.