A lógica das fake news foi inaugurada a pedido do PT, diz Marina Silva

·3 minuto de leitura

A ex-senadora Marina Silva chamou de "pai das fake news" o ex-marqueteiro político do PT João Santana ao relembrar da campanha eleitoral à presidência em 2014, quando ainda pelo PSB protagonizou um embate com a então candidata Dilma Rousseff.

"Não vamos nos esquecer que ele (João Santana) é o pai das fake news. Foi ele que, a pedido do PT, também não vamos nos esquecer, em 2014, inaugurou a lógica de projeto vitorioso com base na desconstrução, na mentira e na violência política", disse Marina.

Leia também

Em entrevista ao Yahoo Notícias concedida nesta quinta-feira (29), a fundadora da Rede Sustentabilidade e três vezes candidata à presidência criticou a contratação de Santana pelo PDT para assumir a comunicação do partido e afirmou que o publicitário "não contribui para o debate político".

"Em relação à contratação do João Santana pelo PDT, claro que eu não tenho aqui que falar aqui pelo PDT, pelo Ciro em relação às razões e motivações para essa contratação. O que eu posso dizer é que João Santana não contribui, no meu entendimento, ao debate político nos termos que eu defendo desde 2014", completou.

O ex-marqueteiro do PT sugeriu Lula como vice de Ciro Gomes em 2022 para formar uma
O ex-marqueteiro do PT sugeriu Lula como vice de Ciro Gomes em 2022 para formar uma "chapa imbatível", seguindo o exemplo peronista da Argentina. (Foto: Reprodução/YouTube/TV Cultura)

A principal crítica de Marina à campanha de Dilma comandada por Santana diz respeito a uma propaganda veiculada na televisão no horário eleitoral gratuito, na qual o PT condenava a proposta do PSB a respeito da autonomia do Banco Central.

A propaganda mostrava uma cena em que supostos banqueiros davam risada em uma mesa de reunião. Em seguida, aparecia uma família feliz sentada à mesa fazendo uma refeição. Aos poucos, a comida ia desaparecendo dos pratos e as expressões de felicidade se transformavam em tristeza. 

Ao fundo, um locutor dizia que o poder dos bancos aumentaria por causa da proposta de Marina e que isso significaria dar “poder aos banqueiros” de decidir até sobre “empregos e salários” da população.

'Negligência planejada' por parte do governo Bolsonaro contra a Covid

A ex-senadora criticou a condução do governo federal no combate à pandemia da Covid-19 e classificou a postura do presidente Jair Bolsonaro como de "negacionista". Na avaliação de Marina, o enfrentamento à doença está sendo uma "negligência planejada".

Meio Ambiente e Sustentabilidade são 'debates do século'

A ex-senadora também se exaltou o protagonismo que teve quando, ainda nos anos 2000, levantou a importância das questões climáticas e necessidade de discussão das agendas ambientais como políticas públicas entre as nações.

"Quando eu disse que Meio Ambiente tinha que ser uma política transversal, ainda quando era ministra do Meio Ambiente (de janeiro de 2003 a maio de 2008), muita gente tirava sarro: 'ah, é o Marinês'", relembra.

Marina Silva define personalidades políticas em poucas palavras

Ao final da entrevista, Marina teve sugerido seis nomes de personalidades marcantes da política nacional para que pudesse defini-los em poucas palavras. Foram eles Jair Bolsonaro, Lula, Aécio Neves, Ricardo Salles, Ciro Gomes, Dilma Rousseff, João Doria e Sergio Moro. Veja a seguir o que ela disse de cada um deles.

Marina sobre Jair Bolsonaro

Marina sobre Lula

Marina sobre Dilma Rousseff

Marina sobre Aécio Neves

Marina sobre Ciro Gomes

Marina sobre Ricardo Salles

Marina sobre Sergio Moro

Marina sobre João Doria

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos