A partir de junho, São Paulo vai flexibilizar funcionamento de comércio e serviços

·4 minuto de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - MAY 15: Workers wear face coverings in a street market pastel shop in the Brasilandia neighborhood amid the COVID-19 pandemic on May 15, 2021 in Sao Paulo, Brazil. Health experts are warning that Brazil should brace for a new surge of COVID-19 amid a slow vaccine rollout and relaxed restrictions. The state of Sao Paulo has registered over 3 million cases of COVID-19 and more than 100,000 deaths. Residents of Brasilandia suffered some of the highest death rates in Sao Paulo due to COVID-19 last year. Over 430,000 people have been killed in Brazil by COVID-19, second only to the U.S. (Photo by Mario Tama/Getty Images)
São Paulo não tem melhora nos números da covid-19, mas vai flexibilizar medidas a partir de junho (Foto: Mario Tama/Getty Images)
  • SP vai flexibilizar o Plano SP no dia 1º de junho

  • Comércio poderá funcionar até 22h, com 60% da capacidade

  • Flexibilização acontecerá mesmo que Centro de Contingência preveja aumento nas mortes por covid-19

Até o dia 31 de maio, São Paulo seguirá na "Fase de Transição" do Plano SP, com os mesmos horários de funcionamento dos estabelecimentos. Mas, em 24 de maio, o comércio terá permissão para receber 40% da capacidade. Atualmente, o índice permitido é de 30%.

A mudança acontecerá a partir de 1º de junho, o estado passará para uma nova fase, com horário das 6h às 22h e, além disso, espaços poderão receber 60% do público máximo. A ampliação vale para comércio, serviços, restaurantes, atividades culturais, academias e atividades religiosas.

A decisão foi tomada mesmo sem uma melhora dos números da pandemia de coronavírus. Além disso, representantes do governo admitem que o número de mortes pode aumentar nos próximos dias.

Leia também

As novas decisões do Plano SP já não dizem mais respeito aos índices de ocupação de leitos na rede de saúde do estado. A maior parte dos municípios de São Paulo tem números para estar na fase vermelha. O coordenador-executivo do Centro de Contingência, João Gabbardo, os números de casos e mortes podem aumentar.

“Os dados que temos para as próximas semanas [indicam que] vamos viver uma estabilidade e um possível aumento desses números”, afirmou. “Temos hoje cerca de 12 mil pessoas internadas em enfermaria. No pico, na pior fase, nós tínhamos 18 mil pessoas. É possível que dentro das próximas 2 ou 3 semanas a gente possa chegar a até 13 mil pessoas internadas. Hoje temos em torno de 10 mil pessoas internadas em leitos de UTI. Tivemos no período mais dramático, 13 mil pessoas em leitos de UTI. Estamos projetando até no máximo as próximas quatro semanas chegar a 11 mil pessoas internadas em leitos de UTI”, apontou.

A previsão é de que as mortes aumentem, mas não cheguem ao número do pico da pandemia no estado. “Em relação ao número de óbitos, hoje nossa média móvel de sete dias está em torno de 500. No período mais difícil, nós estávamos com 850 óbitos. Temos expectativa de que ainda nos próximos dias possa aumentar. É possível que nós cheguemos, no máximo, a 600 óbitos [por dia] de média móvel. Mas, com a progressão da vacinação, a gente vai ter redução do número de casos graves”, disse Gabbardo.

Novas datas de vacinação

O governo de São Paulo anunciou uma nova etapa da vacinação contra a covid-19: ao longo do mês de junho, todas as pessoas com comorbidades e deficiências poderão ser imunizadas, tendo mais de 18 anos. O anúncio foi feito pelo governador João Doria (PSDB), em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

Em 1º de julho, poderão começar a ser vacinadas pessoas entre 55 e 59 anos sem comorbidades ou deficiências. "A partir de 1o de julho voltaremos a vacinar a população com regularidade", anunciou Doria.

Além disso, em 28 de maio, pessoas com comorbidades e com deficiência permante entre 40 e 44 anos poderão começar o processo de vacinação.

Também em julho serão imunizados os profissionais de educação. Até agora, puderam se vacinar aqueles com mais de 47 anos.

"Para retomar as aulas do segundo semestre com total segurança. Entre os dias 1º e 20 de julho serão vacinadas as pessoas de 55 a 59 anos de idade. Entre os dias 21 e 31 de julho, vamos vacinas os profissionais da educação que ainda precisam ser vacinados, na faixa de 18 a 46 anos. Um público total de 1,7 milhão de pessoas", explicou Doria.

Atualmente, o estado está vacinando grávidas e puérperas com comorbidades, pessoas com deficiência permanente entre 50 e 59 anos e pessoas com comorbidades entre 50 e 59 anos. Metroviários e ferroviários, além de motoristas e cobradores de ônibus também estão sendo imunizados.

Confira o calendário de vacinação contra a covid em SP:

  • 10 de maio: pessoas com Sindrome de Down, Imunossiprimidas pacientes transplantados, pacientes renais em terapia

  • 11 de maio: metroviários e ferroviários; pessoas com deficiência permanente entre 50 e 59 anos

  • 14 de maio: pessoas com comorbidades entre 50 e 59 anos

  • 17 de maio: grávidas e puérperas com comorbidades com mais de 18 anos

  • 18 de maio: motoristas e cobradores de ônibus

  • 21 de maio: pessoas com comorbidades entre 45 e 49 anos e pessoas com deficiência permanente (BPC) entre 45 e 49 anos

  • 28 de maio: pessoas com comorbidades entre 40 e 44 anos e pessoas com deficiência permanente (BPC) de 40 a 44 anos

  • Entre 1 e 20 de julho: pessoas de 55 a 59 anos

  • Entre 21 e 31 de julho: profissionais da educação entre 18 e 46 anos

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos