Operação do Exército egípcio em Sinai mata seis supostos terroristas

Cairo, 2 abr (EFE).- Seis supostos jihadistas morreram e outros 29 foram detidos em uma operação militar lançada no norte da Península do Sinai, no extremo nordeste do Egito, perto da fronteira com Gaza, anunciou neste domingo o Exército.

O porta-voz das Forças Armadas egípcias, o general Tamer al Refai, indicou em comunicado que as forças de segurança destruíram dois túneis, um veículo, três motocicletas e um estoque de artefatos explosivos na zona de Rafah, fronteiriça com a palestina Faixa de Gaza.

Além disso, desativaram uma bomba que tinha sido preparada para atacar os membros das forças armadas, escreveu o porta-voz em sua conta oficial no Facebook.

Em 23 de março, o Exército informou que dez militares morreram pela explosão de duas bombas quando perseguiam terroristas no centro da Península do Sinai.

Cinco dias antes, as Forças armadas tinham anunciado a morte de 18 supostos jihadistas em vários ataques realizados pela aviação nos dias precedentes.

A província do Norte do Sinai é a base de vários grupos armados, entre eles Wilayat Sina, que em 2014 jurou lealdade ao grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

O grupo Wilayat Sina (Província do Sinai) era anteriormente conhecido como Ansar Beit al Maqdis (seguidores da Casa de Jerusalém) e mudou de nome após jurar lealdade ao EI em 2014.

O grupo se atribuiu a maioria dos ataques terroristas cometidos nos últimos anos no norte do Sinai, que em sua maioria têm como alvo o Exército e a polícia. EFE