Abono-Fundeb: Sepe vai cobrar paridade entre servidores ativos e aposentados

·1 min de leitura

A liberação do abono-Fundeb para o pessoal da ativa da Secretaria de Educação do Rio de Janeiro ainda deve render muito pano pra manga, como o dito popular. Isso porque os aposentados ficaram de fora da partilha dos recursos e o Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe) vai defender a paridade.

Relembre: na quinta-feira a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou o pagamento da bonificação, solicitado em regime de urgência para atender a um pedido feito no Projeto de Lei Complementar 56/2021, de autoria do deputado Sérgio Fernandes (PDT). Ao todo, 63 mil profissionais da ativa serão contemplados e o pagamento será de acordo com a carga horária. O valor total do depósito chegará a R$ 230 milhões e deve ser pago ainda este ano.

De acordo com o texto aprovado, o pessoal administrativo com carga horária de 40 horas semanais vai receber uma parcela única de R$ 3.426,40. Já o magistério receberá de R$ 2.905,27 (16 horas) a R$ 6.655,55 (40 horas).

— Os aposentados não podem ficar abandonados à própria sorte. A paridade precisa ser respeitada. Inclusive estamos tentando uma audiência com o secretário de educação para tratar desse assunto — adiantou Marta Moraes, do Sepe, ao EXTRA.

— Vamos continuar com a pressão em busca da equiparação do piso salarial nacional do magistério, piso regional para funcionários, um terço (1/3) de planejamento e manter a mobilização para garantir que nenhum direito seja deixado para trás — acrescenta.

Procurada, a Seeduc não respondeu aos questionamentos até o fechamento desta edição.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos