Abraham Weintraub ironiza caso de arma com ex-ministro Milton Ribeiro, mas se retrata em seguida

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Rio — O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub ironizou o fato de seu sucessor na pasta, Milton Ribeiro, ter sido encontrado com uma arma durante o embarque no Aeroporto de Brasília, na última segunda. Em uma postagem em uma rede social, Weintraub disse que Ribeiro “devia utilizar as novas Bíblias compradas pelo esquema pastores/MEC”, que “vai aparecer mais coisa errada dessa turma do Centrão” e que “não colocaria nem dedo mindinho” no fogo por ele.

“O Milton foi fazer uma oração no aeroporto. Devia utilizar as novas Bíblias compradas pelo esquema pastores/MEC. Pode apostar, vai aparecer mais coisa errada dessa turma do Centrão. O Presidente disse que colocava a cara no fogo pelo Milton. Eu não colocaria meu dedo mindinho”, disse na primeira publicação, ironizando o ocorrido.

A postagem ainda continha uma imagem de uma bíblia com uma arma dentro, e com marcas de sangue. No entanto, algumas horas depois, Weintraub voltou às redes sociais, desta vez para publicar uma “retratação” da primeira postagem.

“Esclareço que a arma disparada pelo Milton (MEC) não estava escondida em uma falsa Bíblia. Fiz uma alusão da falta de habilidade no manuseio da arma, que feriu uma funcionária do aeroporto, com a suspeita de corrupção na confecção de bíblias com o rosto dele!”, publicou na retratação.

Milton Ribeiro fez um disparo acidental no momento em que estava no balcão de uma companhia aérea, deixando uma funcionária da companhia aérea Gol ferida — ela não teve a identidade revelada, foi atingida por estilhaços e atendida no local.

Segundo a Gol, a funcionária passa bem e não teve ferimentos graves. A empresa disse à TV Globo que ela "não precisou ir ao hospital ou levar pontos" e que "foi mais o susto do caso mesmo".

Abraham Weintraub foi o segundo ministro da Educação do governo Jair Bolsonaro, sucedendo o argentino Ricardo Vélez apenas quatro meses após ele assumir o cargo. Após mais de um ano na função, Weintraub pediu demissão para assumir uma vaga no conselho administrativo do Banco Mundial. Para seu lugar, Carlos Decotelli chegou a ser anunciado, mas a escolha foi desfeita por inconsistências em seu currículo.

Em junho de 2020, um mês após a saída de Weintraub, Milton Ribeiro era anunciado no cargo, no qual permaneceu até março deste ano. Após se envolver em uma crise por conta das denúncias de repasse irregular de verbas e o envolvimento de pastores em decisões da pasta, Ribeiro pediu exoneração do cargo.

Victor Godoy Veiga foi escolhido como interino ainda em março, e permanece no cargo até agora.K

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos