Abril é o mês mais mortal da pandemia da Covid-19 no Brasil

·2 minuto de leitura

RIO — O mês de abril de 2021 se tornou o mais mortal da pandemia da Covid-19 no Brasil. Foram registradas neste sábado, mais 2.531 mortes, elevando o número de vidas perdidas em abril para 67.723, contra os 66.868 registrados em março, faltando ainda seis dias para o fim do mês.

O país acumula 389.609 vidas perdidas em toda a pandemia. Os dados foram reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, que compila informações divulgadas pelas secretarias estaduais de Saúde.

A média móvel de sete dias do número diário de mortes no país agora está em 2.531, o que representa queda de 19% nas últimas duas semanas. É o segundo dia em que o número representa uma tendência de queda, o que não acontecia desde 12 de novembro do ano passado. Desde então, o número só havia crescido ou se mantido estável.

Nas últimas 24 horas, o país teve 69.302 pessoas diagnosticadas com infecção pelo novo coronavírus, totalizando 14.307.412 casos até agora. A média móvel de casos foi de 58.183, 18% menor do que o cálculo de 14 dias atrás.

A média móvel de sete dias se refere aos números de mortes e casos do dia e dos seis anteriores. A medida é comparada com a média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda na epidemia. O cálculo é um recurso para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por redução de mão-de-obra.

Vinte estados e o Distrito Federal atualizaram sua cobertura vacinal neste sábado. O Brasil conseguiu aplicar a primeira dose de vacina contra Covid-19 até agora em 28.969.324 pessoas (13,68% da população), e 12.499298 já receberam a segunda dose, o que representa uma cobertura vacinal completa de 5,9%.