Acabar ou não com a extração de gás nos Países Baixos? O debate está ao rubro

A província de Groningen, no norte dos Países Baixos possui o maior campo de gás natural da Europa. Um tesouro de biliões de euros. Mas os poços de gás estão a ser encerrados. Porquê?

Apesar da guerra ucraniana e da escassez da oferta de gás, a região de Groningen está a pôr fim à extração de gás natural, porque o processo de extração de gás desencadeia tremores de terra.

Na região, a população vive constantemente com o receio de que ocorra um sismo. 27 mil casas estão a ser inspecionadas devido às fissuras. A população uniu-se para exigir compensações financeiras da parte do Estado face à gravidade dos estragos.

"Extrair gás aqui não é seguro"

“Extrair gás, aqui, hoje, ou num futuro próximo, não é seguro para as pessoas que vivem aqui. Estamos a falar de vidas humanas, e isso não é negociável", disse à euronews o porta-voz do movimento Groningen Bodem que fez uma intensa campanha para obrigar o governo dos Países Baixos a antecipar o fim da extração de gás em Groningen.

"Podemos viver felizes sabendo que há pessoas que precisam de gás?"

Apesar dos riscos associados à extração do gás, há quem considere que é necessário continuar a extrair gás do solo.

“Será que podemos viver felizes aqui, sabendo que há pessoas que precisam de gás, que têm frio e fome? Não!”, afirmou Jannie Schrage, uma das pessoas lesadas pelos tremores de terra em Overschild.

Acabar ou não com a extração de gás nos Países Baixos para fornecer gás aos países europeus? O debate está de novo ao rubro. Uma reportagem de Hans Von der Brelie, em Witness, na Euronews.