‘Achei que fosse cair’, lembra homem que viralizou com vídeo do momento do impacto de embarcação com a Ponte Rio-Niterói

Na noite da última segunda-feira, o São Luiz, embarcação que estava há seis anos atracada na Baía de Guanabara, colidiu com a estrutura da Ponte Rio-Niterói, causando transtornos e assustando muitos motoristas, principalmente quem passava pelo local na hora do acidente. O motorista Alexandro Belotte, de 42 anos, foi uma das pessoas que presenciou o momento do impacto. Em um vídeo gravado pelo motorista, ainda na Ponte, é possível ver o momento do impacto da embarcação seguida de um forte estrondo.

'A popa já descolou': Vídeo mostra navio à deriva que bateu e fechou a Rio-Niterói sendo rebocado

São Luiz: Embarcação que colidiu com a ponte Rio-Niterói estava ancorada há seis anos

— Eu estava saindo de Niterói na hora. Era por volta de 18h25. Depois que passei do meio da Ponte, reparei que o tempo estava fechando muito rápido e a ventania estava muito forte, dava até para sentir o carro balançar. Passando ali pelo Vão Central, já podia ver o barco se aproximando e fiquei surpreso porque ele estava realmente muito perto. Andei mais um pouco e comecei a achar que era coisa da minha cabeça, e que não tinha como ele bater — lembra.

Segundo o motorista, momentos antes do impacto, já era possível ver que o barco iria colidir com a pista:

— Fui chegando mais perto e vi que o barco não parava de se aproximar cada vez mais. Lembro que pensei: "o Vão já passou, esse barco não passa por aqui não". Na hora, até fiquei com medo e pensei em parar o carro, mas ali no momento, com a indecisão, eu preferi acelerar por que tive medo que a ponte viesse abaixo.

Sobre o momento, Alexandro conta que teve medo que a Ponte não resistisse ao impacto.

— Estava filmando e na hora que o barco bateu, achei que fosse cair. O celular caiu da minha mão, o carro saiu da faixa… A pancada me assustou e tudo balançou. Quando olhei para cima e vi que a pista ainda estava ali, só pisei e fui. Nem quis olhar para trás— conta.

Segundo Alexandro, momentos depois do impacto, quando ele já estava na Avenida Brasil, precisou parar o carro para se recuperar do susto:

— Parei o carro, fiquei uns três minutos me recuperando. Respirei fundo antes de voltar e seguir viagem até minha casa. Um susto desse ninguém esquece.

Colisão de navio: Passageiros enfrentam medo de assalto, tumulto e horas de espera nas barcas