'Achei que ia morrer', diz jovem agredido por PM em Minas; agentes serão investigados

A agressão dos policiais foi filmada por pessoas que estavam no local. (Foto: Getty Creative)
A agressão dos policiais foi filmada por pessoas que estavam no local. (Foto: Getty Creative)

Um jovem de 23 anos foi agredido por dois policiais militares na noite de sexta-feira (12) em Paineiras (MG), no Centro-Oeste de Minas Gerais. Apesar de estar imobilizado e de ter ficado desacordado, Marcos Mendonça, de 23 anos, continuou a receber socos e pontapés dos agentes de segurança.

O caso levou o governador do estado, Romeu Zema (Novo) a se manifestar nas redes sociais.

"Confio na seriedade e prontidão da nossa PMMG, que está apurando os fatos e tomará as medidas necessárias para coibir atos de violência, seja quem for o agressor", escreveu Zema.

Como tudo aconteceu

Marcos Mendonça, que é fazendeiro e mora em Belo Horizonte, relatou ao G1 que estava na cidade de passagem, onde tem uma criação de gado. Ele afirmou que estava na praça central de Paineiras com a namorada e alguns amigos, quando alguém soltou uma bomba. Após o estrondo, Mendonça contou que os polícias chegaram e deram voz de prisão para ele e que, ao negar que tenha sido o autor do disparo do artefato, ele passou a ser espancado, mesmo quando já estava imobilizado. De acordo com o relato, a namorada do fazendeiro também levou um soco ao tentar defendê-lo.

Eles foram colocados dentro do carro da polícia e levados para fazer exame de corpo de delito em um hospital. Depois, foram deixados na delegacia da Polícia Civil. Mendonça ficou algemado em uma cela até a chegada do advogado, momento em que foi liberado pelos policiais.

As agressões foram filmadas por pessoas que estavam no local e mostram a ação truculenta dos policiais.

Em nota enviada ao G1, a PM informou que na noite de sexta-feira (12) foi acionada diversas vezes por moradores com a denúncia de que havia um homem soltando bombas em uma praça, próximo a crianças. De acordo com a nota, o rapaz resistiu à voz de prisão e por isso, houve necessidade da intervenção policial. A nota não menciona a agressão à mulher que também aparece na imagem sendo agredida.

A PM explicou que, após ter tido acesso às filmagens da ação, instaurou um procedimento para apuração criteriosa dos fatos e adoção das medidas cabíveis.