Novas enchentes atingem maior distrito de Lima

Lima, 17 mar (EFE).- Uma nova cheia do rio Rímac inundou nesta sexta-feira várias ruas e zonas do distrito de San Juan de Lurigancho, o maior e mais populoso de Lima, com mais de um milhão de habitantes.

A região de Lima registrou dois mortos e tem 9.550 pessoas afetadas pela emergência climática, segundo o último reporte do Centro de Operações de Emergência Nacional (COEN).

Na região de Carapongo, em San Juan de Lurigancho, os habitantes usaram sacos de areia para evitar que a inundação danifique as bases de suas casas, mas a cheia do rio chegou até a avenida Malecón Checa, em Campoy, onde muitas famílias ficaram isoladas em suas casas.

Além disso, outro trecho do rio transbordou na zona de Huachipa, na altura das avenidas Ramiro Prialé e Circunvalación, vias de intenso tráfego de veículos pesados e transporte interprovincial.

Perante os pedidos de ajuda dos habitantes à imprensa, a Polícia Nacional está na região ajudando as pessoas a atravessar as ruas alagadas, ajudados por cordas e viaturas.

Além disso, no distrito de Chaclacayo, ao leste de Lima, a ponte Ñaña foi fechada por conta do aumento do nível do rio, para evitar que a força da água abale sua estrutura, como ocorreu ontem com uma ponte de pedestres em San Juan de Lurigancho.

O transbordamento do rio Rímac também afetou um trecho da linha férrea na altura do quilômetro 24 da Estrada Central, muito perto da movimentada ponte Los Angeles.

O trem e a estrada ligam Lima às regiões do centro do país que abastecem a capital de alimentos e outros produtos.

Em nível nacional, as intensas chuvas e inundações causaram 62 mortes, mais de 62 mil afetados, 170 feridos, 7.974 casas destruídas e 19 colégios danificados. EFE