ACM viaja a São Paulo para tentar acalmar Doria sobre o DEM

MÔNICA BERGAMO
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 04.08.2018 - O presidente do DEM, ACM Neto (BA). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 04.08.2018 - O presidente do DEM, ACM Neto (BA). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-prefeito de Salvador ACM Neto viaja nesta terça (9) a São Paulo para tentar acalmar o governador do estado, João Doria (PSDB-SP) em relação à possibilidade de seu partido, o DEM, se aliar a Jair Bolsonaro na eleição presidencial de 2022.

Ele preside a legenda, que tem aliança com o PSDB tanto em São Paulo –o vice-governador, Rodrigo Garcia, é do DEM -como em Salvador.

"Vou conversar, que é o que sei melhor fazer na política", diz ele.

A tensão surgiu depois que ACM Neto declarou à Folha de S.Paulo que não poderia descartar, neste momento, uma aliança com Bolsonaro.

"Nós não estaremos com os extremos. Você pergunta se eu descarto inteiramente a possibilidade de estar com Bolsonaro. Neste momento não posso fazer isso. Qual Bolsonaro vai ser? Os dos dois últimos anos que passaram? Não queremos. Agora, haverá um reposicionamento? Para a construção de algo mais amplo, que não fique limitado à direita? Não sei. Então, não posso responder agora. Portanto, seja Doria, Bolsonaro, Huck, Ciro [Gomes], [Luiz Henrique] Mandetta, qualquer um dos nomes, vamos saber com o passar do tempo se vai ter mais ou menos chance", afirmou ele.

A declaração foi dada depois da eleição de Arthur Lira para presidir a Câmara dos Deputados.

Uma parte do DEM apoiou a candidatura dele contra o deputado Baleia Rossi (MDB-SP), que era apoiado por Doria.

O ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) colocou combustível na crise ao dizer que vai deixar o DEM estaria virando um partido de extrema direita e apoiando Bolsonaro.

Segundo ele, ACM Neto entregou a cabeça do partido de bandeja para o presidente.