Acnur expressa preocupação com situação no Chade e refugiados do Congo

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O alto comissário da ONU para refugiados, o italiano Filippo Grandi, em Bogotá, em 8 de fevereiro de 2021

O alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), Filippo Grandi, manifestou nesta quinta-feira (22) sua preocupação com a "perigosa" situação no Chade, no terceiro dia da sua visita à República Democrática do Congo (RDC).

"Recentemente, houve uma evolução no Chade que é muito perigosa", disse Grandi durante uma coletiva de imprensa em Kinshasa, referindo-se à recente morte do presidente do país, Idriss Déby Itno, que foi substituído por um de seus filhos à frente do Conselho Militar de Transição (CMT).

"O Chade desempenha um papel importante na estabilidade do Sahel, que é uma região onde as crises humanitárias e os deslocamentos são muito significativos", afirmou o líder da ONU, que prometeu conversar com o presidente da RDC e da União Africana, Félix Tshisekedi, sobre outras situações "preocupantes", como da Etiópia ou do Sudão.

Grandi também falou sobre os substanciais movimentos migratórios na RDC, que tem 5 milhões de deslocados internos, 940 mil refugiados congoleses em outros países e 500 mil refugiados de países vizinhos em território congolês.

"Temos visto um tremendo aumento nos deslocamentos [internos]. Estamos falando de um milhão de desabrigados só em Ituri. São situações realmente muito graves", disse o alto comissário.

Ele também se mostrou a favor de abordar a situação dos 940 mil refugiados congoleses em reuniões entre a RDC, o ACNUR e os países africanos que os receberam.

Grandi esteve no norte da RDC na terça-feira, perto da fronteira com a República Centro-Africana, em uma área onde vivem milhares de refugiados centro-africanos que fugiram em dezembro de 2020 após um surto de violência pós-eleitoral.

bmb/st/sst/eb/tjc/ic/mvv