O que aconteceu do ataque químico ao bombardeio dos EUA na Síria

(4 abr) Hospital destruído no suposto ataque químico em Khan Sheikhun

Segue abaixo a cronologia dos acontecimentos desde o suposto ataque químico atribuído ao exército sírio até a resposta dos Estados Unidos, que lançaram sua primeira operação militar contra o regime sírio.

- O motivo -

- Em 4 de abril, um bombardeio aéreo contra a cidade rebelde de Khan Sheikhun (província de Idleb, norte) causa 86 mortos, entre elas 30 crianças, e mais 160 feridos, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Segundo o OSDH, foi o "ataque químico" mais mortífero desde o realizado nos arredores de Damasco em 2013, que causou mais de 1.400 mortos.

- A oposição e Ocidente acusam o regime de Bashar Al Assad de ter usado "obuses contendo gás químico", o que nega Damasco. O exército sírio nega "categoricamente ter usado qualquer substância química ou tóxica".

- As acusações -

- Em 5 abril, a Rússia sai em defesa do regime de Damasco. O ministério da Defesa diz que a aviação síria bombardeou "perto de Khan Sheikhun um grande depósito terrorista", que abrigava "uma oficina de fabricação de bombas com substâncias tóxicas".

- A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que certas vítimas do suposto ataque químico apresentam sintomas que sugerem exposição a uma categoria de produtos químicos como "agentes neurotóxicos". A Médicos Sem Fronteiras (MSF) fala de "um agente neurotóxico do tipo gás sarin".

- "Todas as provas que vimos sugerem que foi o regime de Assad... usando armas ilegais contra seu próprio povo", afirma o chanceler britânico Boris Johnson

- A ameaça -

- O presidente americano Donald Trump ameaça passar à ação. "Estes atos odiosos do regime Assad não podem ser tolerados", afirma o magnata, que admite que sua "atitude ante a Síria e Assad mudou claramente".

- Em 6 de abril, a Rússia diz que Washington carece de informação "objetiva, confiável e realista". Vladimir Putin considera "inaceitável" acusar o regime sírio sem provas.

- O chanceler sírio Walid Muallem afirma que o exército sírio "não usou e jamais usará" armas químicas contra seu próprio povo, "nem contra os rebeldes e os jihadistas".

- As necropsias realizadas na Turquia de três vítimas do ataque confirmam a utilização de armas químicas pelo regime, segundo o ministro turco da Justiça.

- O ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman, afirma ter 100% de certeza de que o presidente sírio ordenou diretamente o ataque.

- O secretário de Estado americano Rex Tillerson anuncia que Washington "avalia uma resposta apropriada".

- O contra-ataque -

- Na madrugada de sexta-feira, os Estados Unidos lançam 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk contra uma base aérea do centro da Síria, a partir de dois navios americanos posicionados no Mediterrâneo. Trump apela às "nações civilizadas" que trabalhem para acabar com banho de sangue.

- A Rússia condena a operação, classificando-a de "agressão contra um Estado soberano", e suspende o acordo firmado com Washington para impedir incidentes entre aviões dos dois países durante operações da coalizão internacional na Síria.