Acusado de agredir modelo em academia e forçar mulher a tatuar iniciais sai do Brasil

Empresário é acusado de agredir modelo, entre outros crimes - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Empresário é acusado de agredir modelo, entre outros crimes - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Thiago Brennand é acusado de agredir e cuspir em uma modelo em uma academia de São Paulo

  • Ele conseguiu deixar o Brasil no último fim de semana, antes de denúncia formal do Ministério Público

  • Empresário é alvo de outras denúncias, como a de forçar uma mulher a tatuar suas iniciais

O empresário Thiago Brennand conseguiu deixar o Brasil. O homem de 42 anos é alvo de uma série de acusações, entre elas, agredir e cuspir em uma modelo em uma academia de luxo na cidade de São Paulo.

Ao g1, a defesa de Thiago confirmou que ele saiu do país em um voo de carreira, "sem que existisse qualquer restrição que o impedisse de se ausentar do país".

Apesar da viagem, os advogados garantiram que o empresário já tem data marcada para retorno e "está à disposição das autoridades".

O g1 informou que uma passagem com o nome de Thiago indica que ele viajou na madrugada do último domingo (4) para Dubai e deve retornar apenas em outubro.

A saída do Brasil aconteceu momentos antes de o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) denunciar formalmente o rapaz por lesão corporal contra mulher e corrupção de menores.

Na denúncia à Justiça, o MP-SP pediu a apreensão do passaporte de Thiago e a obrigação de manter o endereço atualizado. O pedido, porém, não foi analisado a tempo.

Acusações contra o empresário

O nome de Thiago veio à tona após o programa Fantástico, da TV Globo, exibir imagens do empresário empurrando e cuspindo em uma mulher dentro de uma academia.

O caso fez com que uma série de acusações contra o empresário fossem descobertas, entre elas, denúncias por assédio, injúria, entre outros crimes.

No último domingo, também por meio do Fantástico, um primo do rapaz contou que foi "presenteado" com um caixão enviado por Thiago enquanto lutava contra um câncer e que era chamado de "Cancinho" pelo parente.

Além disso, uma mulher revelou ter sido obrigada pelo empresário a tatuar suas iniciais: TFV, além de ser mantida em cárcere privado, agredida e violentada sexualmente por ele.