Acusado de matar namorada grávida em praia de Niterói é condenado por feminicídio

Acusado de matar Julia Inez Rodrigues Soares, o motorista de aplicativo Fábio Souza da Silva foi condenado a mais de 28 anos de prisão pelo crime de homicídio quadruplamente qualificado: feminicídio; motivação torpe; com emprego de meio cruel e mediante recursos que dificultaram a defesa da vítima. Pelo ato ter sido praticado contra mulher por razões da condição de sexo feminino, em situação de violência doméstica e familiar, o crime foi qualificado por feminicídio. O corpo da vítima foi encontrado na Praia do Sossego, em Niterói, com sinais de espancamento. O crime aconteceu em outubro de 2019. A decisão é da 3ª Vara Criminal de Niterói.

Feminicídio: Acusado por morte de técnica de enfermagem disse ao pai que houve um 'acidente envolvendo namorada'

'Só um monstro faria isso': Madrasta de técnica de enfermagem desabafa após morte de jovem

“Tendo ciência inequívoca da ilicitude de sua conduta, não se intimidou com o cometimento do crime com audácia extremamente reprovável, atraindo a vítima para local ermo à noite, onde a golpeou pelas costas com um pedaço de madeira”, diz a sentença proferida pela 3ª Vara Criminal, no julgamento realizado no Tribunal do Júri em Niterói, reforçando que Fábio agiu com extrema violência e brutalidade, desferindo golpes com instrumento contundente contra a cabeça da vítima, que não teve como chamar por socorro.

Filhos da tragédia: Rio cria auxílio financeiro para órfãos de vítimas do feminicídio

Feminicídio: elas não são só um número na estatística; as mulheres vítimas do crime este ano no Rio

Julia Inês estava grávida de quatro meses, o que teria motivado o crime, uma vez que o autor não queria assumir a paternidade do bebê, nem arcar com os custos de sustento da criança e da vítima. Fábio foi preso no dia seguinte ao crime, enquanto seguia com um passageiro pela Ponte Rio-Niterói.