Acusado de matar técnica de enfermagem não explica como o crime ocorreu, nem o motivo

Namorado suspeito de matar técnica de enfermagem segue preso, acusado escolheu manter silêncio durante audiência de custódia - Foto: Reprodução
Namorado suspeito de matar técnica de enfermagem segue preso, acusado escolheu manter silêncio durante audiência de custódia - Foto: Reprodução

O estudante de Enfermagem Iago Lacé Falcão, de 26 anos, optou por seguir em silêncio durante a audiência de custódia realizada neste domingo. Na última terça-feira Iago confessou espontaneamente a autoria do crime na delegacia de homicídios da capital e foi liberado. Na ocasião, o estudante de enfermagem apareceu acompanhado da advogada e, após indicar onde estaca o corpo da técnica de enfermagem Rita de Kássia Nogueira, de 27 anos, Iago optou por exercer o direito de seguir em silêncio e não prestar novos esclarecimentos. Na audiência de custódia deste domingo, Iago permaneceu novamente em silêncio.

Iago foi preso por policiais civis na última sexta-feira após mais de 72 horas do assassinato da técnica de enfermagem Rita de Kássia Nogueira, de 27 anos. Apesar de Iago ter confessado o crime e a ocultação do cadáver, o jovem não havia sido preso no momento porque,, segundo a policia civil, não houve flagrante. Na sexta-feira, o Tribunal de Justiça decretou a prisão do estudante, Iago se apresentou às 23h à Divisão de Homicídios e passou a manhã de sábado na DH antes de ser levado para o presídio de Benfica.

Na audiência realizada na tarde deste domingo, a juíza da Central de Custódia de Benfica, Ariadne Villela Lopes, manteve a prisão do estudante de enfermagem. Em sua decisão, a magistrada disse que o mandado de prisão temporária de 30 dias, determinado por outro juiz contra Iago, era válido.

A juíza Ariadne Villela Lopes relatou em sua decisão: "Nesse sentido, tem-se que se o mandado de prisão é válido e não há notícia nos autos acerca de alteração da decisão que determinou a expedição do referido mandado, sendo vedado ao juízo da CEAC (Central de Custódia) reavaliar o mérito da decisão que decretou a prisão. Assim, conforme referido, cabe à CEAC avaliar tão somente a regularidade e legalidade do cumprimento do mandado de prisão, bem como determinar a apuração de eventual abuso estatal no ato prisional".

Em entrevista pessoal com o acusado, a magistrada lhe perguntou se havia sofrido algum tipo de agressão física durante a prisão, o que foi negado por Iago.

Entenda o caso

A Polícia Civil prendeu Iago Lacé Falcão, de 26 anos, após mais de 72 horas do assassinato da técnica de enfermagem Rita de Kássia Nogueira, de 27 anos. Apesar de Iago ter confessado o crime e a ocultação do cadáver, ele se apresentou à delegacia, saindo da situação de flagrante. Com a prisão dele decretada na sexta-feira pelo Tribunal de Justiça, o suspeito se apresentou às 23h à Divisão de Homicídios, segundo sua advogada Natália Fonseca de Carvalho. Ele passou a manhã de sábado na DH e foi levado para o presídio de Benfica.

Iago e Rita mantinham um relacionamento há cerca de 2 meses. A técnica desapareceu na noite do último domingo, após sair com Iago. Em um vídeo feito por câmeras de segurança, os dois deixam a casa onde Rita morava com a família, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, por volta de 21h30.

O estudante de Enfermagem Iago Lacé Falcão, com quem Rita mantinha um relacionamento havia pouco mais de um mês, confessou o crime, segundo a defesa da família. Em seu perfil numa rede social, Iago declara ser presidente e membro fundador da Liga Acadêmica de Atenção Integral à Saúde da Mulher.

— A Rita era uma garota maravilhosa, muito carismática, muito simpática, dedicada à profissão. Tinha sonhos. Só um monstro faria isso. Eu me perguntei agora há pouco no carro: Um mês e meio leva a pessoa a fazer o que com alguém? Um monstro… Já era doente, maluco. Psicopata. Veio (na delegacia) tão tranquilo depois do que fez, deixou esses rastros e veio assim… Sabendo que a Justiça ia resguardar ele — lamenta Raquel Alves, madrasta da jovem.

Após o desaparecimento, Iago foi procurado pela mãe da técnica de enfermagem. Por mensagens em redes sociais, ele disse estar preocupado com o desaparecimento da jovem. Um vídeo feito por câmeras de segurança e obtido pelo GLOBO mostra o momento em que a Rita deixa a casa onde mora com a mãe e os irmãos mais novos, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, junto com Iago, na noite de domingo. Desde então, não deu mais notícias.