Acusado de ser agressivo, senador Otto Alencar afirma que foi veemente pois não aguentou mais ouvir negação de fatos

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  27-04-2021 - O senador Otto Alencar (PSB-BA). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 27-04-2021 - O senador Otto Alencar (PSB-BA). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador Otto Alencar (PSD-BA) afirmou nesta quarta-feira (2) que não buscou desqualificar a médica Nise Yamaguchi, em depoimento na CPI da Covid no dia anterior.

Afirmou, no entanto, que desaprovou as falas da médica que apresentava visões equivocadas sobre vacinas e sobre tratamento precoce.

"O que eu quis fazer? Eu quis mostrar que nunca deu certo se levar uma medicação, mesmo velha, antiga, que é o caso da hidroxicloroquina e outras medicações, serem usadas para uma doença nova, desconhecida", afirmou.

O senador, que é médico, afirmou que fez várias perguntas para tentar ver a base das visões da médica e não para menosprezá-la. Disse, por outro lado, que não "suportava mais" ver negação de fatos.

"Não foi para atingi-la. Tratei o tempo todo a doutora Nise Yamaguchi como senhora, vossa senhoria. Claro que cada pessoa tem uma maneira de se dirigir. Se a minha veemência aconteceu, aconteceu porque não suportava mais ver tantas coisas negadas que foram afirmadas no passado", afirmou.

"O que eu queria dizer e desqualificar é que o Ministério da Saúde, como instituição jurídica, não pode prescrever receitas para 15 milhões de brasileiros. Era o que eu queria mostrar", completou.

Como mostrou a Folha de S.Paulo, as constantes interrupções à médica Nise Yamaguchi provocaram a reação de senadores e de usuários nas redes sociais.