Acusados de transfobia por 'Lili', sertanejos têm música retirada de streaming

Extra
·1 minuto de leitura

A música lançada na última sexta-feira, dia 18, pela dupla Pedro Motta e Henrique está causando polêmica por ter versos considerados transfóbicos. Os sertanejos cantam a história de um homem que se apaixonou por uma travesti, mas se sentiu "enganado". Ativistas e artistas se pronunciaram e cobraram uma posição dos cantores e das plataformas de streaming, que permitiam a monetização de uma canção que poderia promover um discurso de ódio. A Deezer se pronunciou e retirou a música da plataforma.

"Repetindo sempre que necessário: não compactuo com transfobia. Já tirei a música da minha plataforma", disse a empresa, por meio da página oficial no Twitter.

A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) enviou um comunicado a Pedro Motta e Henrique, pedindo aos cantores para reverem o lançamento da música.

"Gostaríamos de conversar com alguém a respeito desta música 'Lili', que se utiliza do que temos chamado de transfobia recreativa para promover violência simbólica e psicológica através da chacota contra a população de travestis brasileiras. Talvez vocês não saibam, mas o Brasil é o país que mais assassina travestis do mundo por ódio que muitas vezes esse áudio é incentivado por isso tipo de piada de extremo mau gosto. Estamos a disposição para o diálogo. E a nossa recomendação é que desde já vocês cancelem o lançamento e a divulgação, pois a música é flagrantemente discriminatória. Acreditamos que é possível que tenham se equivocado na produção desse tipo de conteúdo e, por isso, estamos entrando em contato para podermos tirar as dúvidas sobre o porque ela ser problemática", publicaram no Instagram.