Adaptações para evitar acidentes domésticos com as crianças em quarentena

Ana Carolina Diniz
Cuidado com as crianças na quarentena

RIO - Com as crianças 24 horas em casa por conta do isolamento social para o combate ao coronavírus, a  atenção em casa deve ser redobrada. E neste momento em que o lar tem múltiplas funções — espaço de lazer, trabalho e escola — é preciso aumentar a sua preocupação com adaptações que devem ser feitas para receber os pequenos em tempo integral.

— Qualquer distração poderá levar a algum acidente doméstico. Então, para evitar esses imprevistos, o ideal seria utilizarmos algumas proteções como portões em escadas, protetores de espuma e/ou siliconados para colocar nas quinas dos móveis e tomadas — salienta a personal organizer Aline Oliveira, da empresa Oliva Organizer.

Outro cuidado é deixar objetos e produtos de limpeza, bem como medicamentos ao alcance d as crianças.

— Guarde-os em locais altos, dentro de caixas. Nada que possa ser de fácil acesso ou despertar a curiosidade dos pequenos.

De acordo com ela, os acessórios de segurança que toda a casa com crianças — principalmente as menores de três anos — deve ter são os portões (que são fáceis de encaixar em qualquer corredor/porta), e as travas de armários.

Ao lado de Aline, a arquiteta Karina Korn, os designers de interiores Henrique Freneda e Mariana Rodrigues, e o diretor da Idea Glass, Érico Miguel, fizeram uma lista sobre a atenção que você deve ter nos diferentes cômodos. Já que, como vovó já dizia, “as crianças cegam a gente”.

Móveis

De forma geral, imóvel com criança demanda cuidados específicos em todas as faixas etárias, mas com uma atenção redobrada para os filhos que começam a engatinhar e aqueles que estão com idade entre 2 e 3 anos.

Estantes e armários que podem ser “escalados” pela garotada devem ser bem chumbados na parede — é muito comum que esse tipo de móvel pesado caia sobre crianças, em acidentes domésticos algumas vezes fatais. Móveis com tampos de vidro ou com quinas pronunciadas devem ser evitados. Tirá-los do caminho, já é uma boa prevenção. Há protetores de quinas em silicone e fitas de espuma que são úteis nessas questões.

Janelas

As janelas e as sacadas devem ser fechadas com telas. Para as versões basculantes, a dica é utilizar uma correntinha para limitar a abertura. “De toda forma, é importante deixar móveis longe do guarda-corpo, pois as crianças podem subir e se debruçar nas sacadas”, lembra Mariana Rodrigues.

Eletricidade

Tomadas também pedem atenção dos pais, que devem tampar todas as saídas que estejam no alcance das crianças usando protetores próprios para isso. Pensando em fios, é hora de encapá-los com fita isolante e organizar aquele emaranhado que deixamos passar no dia a dia. “Fio próximo ao chão é um perigo. Além da possibilidade de pegá-los e levar à boca, tropeços são recorrentes”, adiciona Mariana.

Área social

Mesas de centro e laterais também devem sair de cena para a livre circulação na sala de estar. “Como a área social da residência, a sala acaba se tornando um espaço de brincadeiras. Assim, quanto mais desimpedida melhor”, lembra Henrique Freneda.

Peças soltas

Para a decoração, evite objetos pequenos, ou com pecinhas soltas que podem acabar na boca das crianças. Itens quebráveis e frágeis, como vidro e cristal não devem estar ao alcance, pois podem se romper com facilidade e provocar sérios acidentes. No caso da sala de jantar, evite usar toalhas longas, pois as crianças podem puxar e arrastar o que estiver em cima.

Quarto

É preciso um olhar aguçado para as prateleiras do dormitório, que não devem apresentar brinquedos ou outros objetos pesados, assim como as gavetas das cômodas e guarda-roupas. “Com a baixa estatura, é possível que ao puxarem, eles deixem cair”, completa Karina. A arquiteta salienta ainda sobre a localização da janela. Em hipótese alguma a cama pode se tornar um ‘trampolim’ de acesso para alcançá-la. “Se for possível mexer no layout, a cama deve estar encostada na parede, proporcionando ainda mais espaço para as brincadeiras”, enumera.

Cozinha e área

Os armários que ficam ao alcance das crianças também devem ser revisados, principalmente na cozinha e na área de serviço. Produtos de limpeza devem ser reposicionados no alto e longe do alcance das pequenas mãozinhas. Na cozinha, facas também precisam ser guardadas em locais mais alto, assim como potes e travessas quebráveis. Forno e fogão também devem ter alerta máximo. Ao cozinhar ou assar, a porta da cozinha, se possível, deve estar fechada ou protegida por meio de grade retráteis que são encaixadas no vão da porta — uma medida eficaz para os menores de 3 anos. “Quando a comida estiver no fogo, não esqueça de colocar os cabos das panelas virados “para dentro” do fogão para que a criança não possa alcançar e puxar, causando um grave acidente”, lembra Karina Korn.

Banheiro

Apesar dos poucos elementos, o banheiro pode oferecer muitos riscos. O vaso sanitário é o primeiro item que merece cuidado, já que as crianças costumam subir, um risco iminente de queda. Além disso, manter a tampa sempre fechada inibe que os pequenos mexam na parte interna e se afoguem. “Infelizmente a situação pode acontecer com um volume de 2,5cm de água”, revela Karina. Remédios, vitaminas e antissépticos devem ficar fora do alcance das crianças pois oferecem o risco de intoxicação. Guarde utensílios afiados, como tesouras, alicates e lâminas de barbear fechados em um lugar seguro.

Box de banho

 É necessário sempre ter um adulto supervisionando crianças pequenas na hora do banho e até mesmo ao utilizar o banheiro. Mas, é importante se atentar em não deixar a criança muito próxima ao vidro e nem bater ou brincar com o mesmo, diz Érico Miguel, diretor da Ideia glass. Além disso, salienta, os pais devem prestar atenção em alguns pontos que podem dar indício de que o box de banho precisa de manutenção, como: verificar se o vidro apresenta lascas ou rachaduras; se as bordas de borrachas e a ‘cola’ estão firmes no vidro; se está ocasionando vazamentos de água ao utilizar o box; fixação frouxa das ferragens. “Mas é importante ressaltar que é necessário também, realizar uma manutenção com um profissional qualificado a cada ano, pois ele sim poderá checar todos os itens que compõem o box de banho de maneira correta”, afirma Miguel.