Adolescente americana viraliza com discurso pró-aborto

·2 minuto de leitura
Uma manifestante vestido de criada segura uma placa em um protesto em Austin, Texas, em 29 de maio de 2021, contra uma nova lei restritiva do aborto, a mesma lei que a adolescente Paxton Smith condenou em seu discurso de formatura

Uma adolescente classificou a decisão do estado americano do Texas de proibir o aborto depois de seis semanas de "dolorosa", "desumanizante" e uma "guerra" contra os direitos das mulheres. Ela fez isso em um discurso de formatura do colégio estadual, que viralizou.

Paxton Smith, a melhor aluna de sua turma na Lake Highlands, em Dallas, apresentou um discurso diferente para os diretores da escola para obter o sinal verde.

Mas no vídeo de seu discurso, postado online, ela disse que decidiu falar sobre o aborto porque a formatura é um dia em que as pessoas estão "mais dispostas a ouvir uma voz como a minha, a voz de uma mulher".

“Tenho sonhos, esperanças e ambições. Todas as meninas que se formam hoje os têm. Passamos nossas vidas inteiras trabalhando pelo nosso futuro e, sem nossa opinião e sem nosso consentimento, nosso controle sobre esse futuro nos foi tirado”, ela disse entre aplausos dos presentes.

"Espero que você possa sentir como é doloroso, espero que você possa sentir como é desumano ter sua autonomia sobre seu próprio corpo tirada".

O governador do Texas, Greg Abbott, assinou um projeto de lei para proibir o aborto a partir de seis semanas, um limite que ativistas dos direitos reprodutivos alertam que fará com que muitas mulheres não optem por esse procedimento por não terem ainda descoberto a gestação.

A lei, apelidada de "projeto de lei do batimento cardíaco" por seus defensores, não prevê exceções como estupro ou incesto e fará do Texas um dos estados mais difíceis do país de realizar um aborto.

“Não posso renunciar a esta plataforma para promover a paz quando há uma guerra contra meu corpo e contra meus direitos. Uma guerra contra os direitos de suas mães, uma guerra contra os direitos de suas irmãs, uma guerra contra os direitos de suas filhas”, afirmou Smith.

"Não podemos ficar em silêncio".

Hillary Clinton elogiou a atitude da adolescente: "Isso exigiu coragem. Obrigado por não ficar em silêncio, Paxton", tuitou Clinton.

to/st/dga/ll/ap