Adolescente de 14 anos morre baleado em operação no Rio

Operação no Complexo do Chapadão, zona Norte do Rio de Janeiro (Foto: Reprodução/TV Globo)
Operação no Complexo do Chapadão, zona Norte do Rio de Janeiro (Foto: Reprodução/TV Globo)

Um adolescente de 14 anos morreu, na madrugada desta sexta-feira (28), após ser atingido na cabeça por uma bala perdida, durante uma operação da Polícia Rodoviária Federal no Complexo do Chapadão, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

De acordo com informações dos moradores, a vítima seria um entregador de lanche e não estaria envolvido no confronto. Ele trabalhava para ajudar a mãe com as contas de casa.

Ele foi atingido enquanto realizava uma entrega e, segundo relatos, ele estava com R$ 10 na mão, valor da taxa que ele teria recebido.

"Já mataram uma criança de 12 anos que entregava hambúrguer. Muito triste essa situação, parece que estão com sede de morte, vai deixar corpos aqui como se não fosse nada" afirma uma moradora.

Após o crime, um vídeo mostra o momento em que moradores protestam e impedem que o corpo seja retirado durante a operação.

"Não é bicho, é uma criança [...] tem sonho, toda criança da favela tem sonho", protesta a população.

O corpo foi retirado por volta das 7h, após comparecimento da perícia, para ser levado para o IML. A corporação informa que está finalizando a operação junto com a perícia.

De acordo com o portal g1, a Polícia Rodoviária Federal informou que, até o momento, há um óbito na operação. A Delegacia de Homicídios da Capital abriu um inquérito para apurar as circunstâncias da morte.

A operação da PRF no complexo de comunidades tinha o objetivo de capturar os responsáveis pela morte do agente Bruno, de 41 anos.

Ele sofreu uma tentativa de assalto na via Transolímpica, na altura da Vila Militar, na zona oeste do Rio. A corporação visa encontrar os suspeitos do crime e começou pela Vila Kennedy, partindo em seguida para o Complexo do Chapadão.

Bruno estava na corporação desde 2004 e deixa a esposa e dois filhos. O agente era da 7º Delegacia, em Resende, no Sul Fluminense.

Os investigadores suspeitam que criminosos tentaram roubar o carro de Bruno em movimento. O veículo dele ficou na via e várias marcas de tiro e cápsulas de balas foram encontrados.