Adolescente é proibido de frequentar aulas por raspar a cabeça em prol de instituição de combate ao câncer

Um adolescente foi proibido de assistir às aulas de sua escola após raspar seus cabelos cacheados em prol de uma instituição de caridade voltada para o combate ao câncer.

Taylor James, de 15 anos, ouviu que sua cabeça raspada constituía um “corte de cabelo extremo” quando voltou à escola após o feriado de Páscoa.

O adolescente, que frequenta a Launceston College na Cornualha, Inglaterra, está recebendo “aulas especializadas individuais” por quatro dias, até que os cabelos cresçam novamente.

A mãe de Taylor, Lesley, criticou a escola por punir seu filho quando ele estava apenas tentando arrecadar dinheiro para a instituição Cancer Research UK, após um amigo ter sido diagnosticado com câncer terminal.

Ela disse: “Todo lugar tem regras, mas eu acho que nestas circunstâncias eles poderiam ter aberto uma exceção”.

Taylor Jones vinha deixando seu cabelo crescer em preparação para o dia de raspá-lo (Lesley Jones)

“Eles poderiam ter feito uma reunião e reconhecido a boa ação feita por Taylor, mas disseram que, normalmente, seu corte de cabelo não seria apropriado para a escola”.

Taylor vinha deixando seu cabelo crescer há meses para o evento, em junho, mas seu pai sugeriu que ele cortasse na Páscoa pois os cachos estavam começando a cobrir seu rosto.

O diretor da Launceston College, Bryan Maywood, disse que Taylor poderá voltar às aulas quando seu cabelo começar a crescer novamente.

Ele disse: “Após este período o cabelo dele não será mais considerado um corte extremo; ele poderá voltar a ter aulas normalmente”.

De acordo com a escola, Taylor havia sido aconselhado antes do feriado a cortar os cabelos mantendo um estilo “muito curto, mas com comprimento aceitável”.

O Sr. Maywood acrescentou que Taylor “foi contra a recomendação” de manter o “comprimento aceitável” ao raspar os cabelos de forma “extremamente curta nos dias imediatamente anteriores ao início do período escolar”.

Imagem principal: Lesley Jones

Andy Wells

Yahoo News UK