Adolescente de 14 anos é encontrada morta em plantação em SC

A adolescente planejava sua festa de 15 anos (Foto: Acervo pessoal)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Brenda Rocha, de 14 anos, saiu de casa para fazer as unhas e não voltou mais

  • Imagens de câmera de segurança do local onde ela desapareceu não foram encontradas

Desaparecida desde o dia 13 de setembro, o corpo da adolescente Brenda Rocha Carvalho, de 14 anos, foi encontrado no último sábado (14). Ela saiu de casa para fazer as unhas e desde então estava sumida.

O corpo da adolescente foi localizada em uma plantação de eucaliptos em Passo de Torres, a 75 quilômetros da cidade onde morava, em Santa Catarina. Brenda tinha sinais de estrangulamento e diversas perfurações por faca.

Leia também:

Ela saiu de casa, em Maracajá, por volta das 18h da sexta-feira. Ao perceber a demora, a família tentou entrar em contato com a garota, e depois passou a procurá-la pela cidade. Às 22h, informaram a polícia sobre o desaparecimento, mas precisaram aguardar 24h para iniciar as buscas.

No sábado, receberam a notícia de que um corpo foi encontrado no município vizinho com características semelhantes às da adolescente. O pai de Brenda reconheceu o corpo no IML (Instituto Médico Legal). O irmão dela, de 18 anos, diz à reportagem do UOL que o corpo estava severamente desfigurado.

"Eu cheguei perto (do caixão) e estava bem difícil. Ela foi estrangulada com um arame e tinha facadas por toda a parte, nas mãos, no rosto, e o lado esquerdo do rosto dela, eu acho que bateram com alguma coisa, porque estava muito amassado", conta Allan Rocha Oliveira, de 18 anos.

Ele relata, ainda, que a mãe está usando remédios para suportar a situação, e o pai sequer conseguiu olhar para o caixão da filha.

A Polícia Civil informa que a adolescente desapareceu perto de um ginásio de esportes, e que a câmera de segurança do local poderia ser a chave para entender o que aconteceu. No entanto, as imagens ainda não foram encontradas. A empresa responsável não soube informar se a filmagem foi apagada ou se houve algum erro no sistema.

"Já me passaram um milhão de informações sobre essa câmera, então, não dá para saber o correto, o que realmente aconteceu com as imagens", lamenta o delegado Lucas da Rosa, responsável pelo caso.

Familiares e testemunhas começaram a ser ouvidos nesta segunda-feira (16). O delegado afirma que ainda é cedo para apontar suspeitos.