Advogado é preso após polícia frustrar plano para transferir Rogério 157 para presídio do Rio

Agentes da Corregedoria-Geral e da Subsecretaria de Inteligência da Polícia Civil impediram uma tentativa de transferir o traficante Rogério Avelino da Silva, Rogério 157, para um presídio no Rio, informou o "Bom Dia Rio", da TV Globo. O advogado Josué Ferreira dos Santos foi preso, e o policial civil Mario Augusto Bernardo Junior, que trabalha na Delegacia da Mulher de São João de Meriti, está sendo procurado.

'Ele estudou para quê? Para ser bicho, monstro ou médico?', diz vítima de anestesista preso

Investigação: Mulher que se internou para ter bebê e saiu com mão e punho amputados cobra respostas de hospital

O esquema previa aliciar o analista responsável pela avaliação de risco da transferência com um “pagamento vultoso” para que o traficante conseguisse vir para uma penitenciára fluminense. A negociação foi gravada.

Rogério 157 foi chefe do tráfico da Rocinha, na Zona Sul, e está preso desde janeiro de 2018 na Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia. Ele tem quatro condenações por tráfico e corrupção.

Caso Marielle: dados do Google podem levar aos mandantes do crime

Parecer sobre o preso seria entregue até o fim do mês

A reportagem explica que, quando o preso está em uma unidade do sistema penitenciário federal, é preciso que o governo do estado de origem dele entregue anualmente um parecer sobre os riscos de trazê-lo de volta a uma cadeia local. Esse documento é entregue à Vara de Execuções Penais e contém a periculosidade do preso, poder de influência e os aliados dele. A Justiça então decide se ele continua no lugar ou retorna ao estado. O prazo de entrega do ofício de renovação de Rogério 157 acaba no fim do mês. A defesa dele pediria a volta de Rogério 157 em seguida. O policial civil Mario Augusto Bernardo Junior teria feito a intermediação entre o advogado Josué Ferreira dos Santos e o analista da Subsecretaria de Inteligência.

Em depoimento, o policial relatou que a dupla ofereceu um “pagamento vultoso” para que o ofício não fosse enviado no prazo. Segundo ele, os dois disseram que o traficante é “bastante generoso” e disseram para o agente da Ssinte escolher “um valor que seria apresentado a Rogério para aprovação”.