Advogado de acusado de homicídio em protesto antirracista nos EUA alega legítima defesa

·2 min de leitura
Kyle Rittenhouse, morador de Antioch, no estado vizinho do Illinois, dirigiu 30 km até Kenosha, onde se uniu a dezenas de pessoas que disseram estar ali para proteger as empresas locais de saques e depredações em meio aos distúrbios (AFP/POOL)

A defesa de Kyle Rittenhouse, o adolescente americano que matou duas pessoas e feriu uma terceira durante protestos antirracistas no ano passado, disse que ele agiu em legítima defesa no início das argumentações de seu julgamento nesta terça-feira (2).

O advogado Mark Richards disse que o jovem, que tinha 17 anos no momento dos fatos, estava sob ameaça mortal dos manifestantes no protesto de 25 de agosto de 2020 na cidade de Kenosha, no Wisconsin.

O promotor Thomas Binger argumentou o contrário, refletindo a evidente polarização política gerada pelo caso, no qual Rittenhouse é acusado de cinco crimes graves, inclusive homicídio em primeiro grau e tentativa de homicídio.

Situada na região dos Grandes Lagos, Kenosha foi tomada por distúrbios depois que policiais brancos deixaram paralítico o jovem negro Jacob Blake após atirarem nele várias vezes dentro de seu carro durante sua detenção.

Como um "turista", Rittenhouse chegou a Kenosha atraído pelos protestos, armado com um fuzil semiautomático AR-15 carregado e foi a única pessoa a atirar em alguém naquela noite, disse Binger.

O jovem, residente em Antioch, no estado vizinho do Illinois, dirigiu 30 km até Kenosha, onde se uniu a dezenas de pessoas que diziam estar ali para proteger as empresas locais de saques e depredações em meio aos distúrbios.

"Senhoras e senhores, agiu em legítima defesa", reagiu Richards: "as provas vão demonstrar que agiu razoavelmente nas circunstâncias daquela noite, depois de ter sido agredido pelo senhor Rosenbaum".

Joseph Rosenbaum, um dos falecidos, que estava desarmado, foi morto com um tiro nas costas.

Agora com 18 anos, o acusado ouviu sem demonstrar emoção as argumentações sobre o caso que atrai as atenções do país.

Seus críticos afirmam que o jovem representa os justiceiros armados da direita, aos quais a polícia supostamente permitiu fazer justiça com as próprias mãos contra os manifestantes.

Para os círculos da direita e defensores do porte de armas, bem como para os simpatizantes do ex-presidente Donald Trump, Rittenhouse é um personagem heroico.

Após ser detido, o jovem foi libertado sob fiança de dois milhões de dólares, quantia arrecadada por simpatizantes de todo o país, inclusive o próprio Trump.

Vários vídeos e fotos registraram seus movimentos naquela noite. Em um, é visto fugindo após atirar quatro vezes em Rosenbaum.

Em outro, é perseguido por um pequeno grupo de manifestantes que batem nele e tentam lhe tirar a arma. Do chão, Rittenhouse atira em Anthony Huber, que morre, e depois atira em Gaige Grosskreutz, a quem fere em um braço.

Richards disse que Rosenbaum tinha ameaçado tomar a arma de Rittenhouse e matá-lo. Os outros o atacaram "na rua como um animal", acrescentou.

No entanto, Binger afirmou ter dito que as leis de autodefesa são estritas e que neste caso não se justifica o uso de força letal.

chp-pmh/yow/rsr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos