Advogado de Lula vai comandar área de cooperação jurídica internacional da transição

O advogado Cristiano Zanin, que defende o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em praticamente todas ações criminais a que ele responde, ficará responsável pela área de "cooperação jurídica internacional" do governo de transição. Ele foi um dos 163 nomes anunciados nesta quarta pelo vice eleito, Geraldo Alckmin, para compor o núcleo temático de Justiça e segurança pública.

Coordenado pelo senador eleito Flávio Dino (PSB-MA), esse grupo foi dividido para cuidar de temas variados relacionados ao Ministério da Justiça. A área da pasta que está sob o guarda-chuva de Zanin trata, por exemplo, de investigações internacionais e extradição de condenados.

Único representante das forças de segurança no núcleo, o delegado da Polícia Federal Andrei Passos ficará responsável por tratar da estrutura envolvendo a PF e Polícia Rodoviária Federal. A direção desta última foi acusada nesta semana pelo Ministério Público Federal de agir em prol da candidatura de Jair Bolsonaro (PL), adversário de Lula. Passos foi o coordenador do esquema de segurança do petista durante a campanha eleitoral e continua na função até a posse, em janeiro.

Coordenador do grupo Prerrogativas, o advogado Marco Aurélio Carvalho será o encarregado de rever a legislação sobre armas. Ele tem a missão de até o fim do ano apresentar um relatório sobre quais normas e decretos baixados pelo governo Bolsonaro podem ser revogados logo nos primeiros dias da gestão Lula.

A advogada Caroline Prone será a responsável pela setor de crimes digitais. E a advogada e diretora do Instituto Lula Tamires Sampaio tem a prerrogativa de estudar a retomada do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) - uma das promessas de campanha do petista.

A proposta é que o programa criado no segundo mandato de Lula ofereça bolsas a policiais para aprimorarem as suas habilidades e cursos que combatam o racismo e o machismo estrutural dentro das corporações.