Advogado de Michelle Bolsonaro irá defender ex-chefe da Polícia Civil do Rio

***ARQUIVO*** Brasília, DF - 26/04/2022 - A Primeira Dama Michelle Bolsonaro falando em Libras. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)
***ARQUIVO*** Brasília, DF - 26/04/2022 - A Primeira Dama Michelle Bolsonaro falando em Libras. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O advogado criminalista Daniel Bialski, que defende a primeira-dama Michelle Bolsonaro, juntou-se à defesa do ex-chefe de Polícia do Rio, Allan Turnowski. O delegado está preso preventivamente, desde sexta (9), sob suspeita de associação criminosa e envolvimento com o jogo bicho no Rio de Janeiro.

Seu outro defensor, Fernando Drumond, pediu um habeas corpus no sábado (10), mas a Justiça manteve a prisão preventiva. Turnowski é candidato a deputado federal pelo PL (Partido Liberal).

Segundo a denúncia, o ex-chefe de Polícia "atuava de forma velada e dissimulada", obtendo informações de integrantes da quadrilha do bicheiro Rogério Andrade e as repassando, por meio de outro delegado, para um bicheiro rival.

A denúncia é baseada em mensagens enviadas pelo delegado Maurício Demétrio, preso desde maio do ano passado suspeito de cobrar propinas de comerciantes.

Bialski defende Michelle Bolsonaro em ações de danos morais, muitas delas relacionadas ao episódio dos cheques depositados na conta dela por Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro apontado como operador do esquema de rachadinha na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

O advogado também atua na defesa do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, que cumpre pena por corrupção, e na do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, na acusação de envolvimento no balcão de negócios montado por pastores evangélicos dentro do MEC.

Segundo a assessoria de imprensa do delegado, ele desconhecia o motivo da prisão dele e a atribuiu a "um movimento de perseguição política".

Em vídeo divulgado em suas redes sociais, gravado um mês antes da prisão, o delegado também afirma estar sendo vítima de uma perseguição política.

"Por que vão entrar na minha casa? Por perseguição política, porque vocês sabem que estou forte na minha campanha. E como deputado federal, o jogo vai inverter. Hoje, só vocês podem armar para mim. Mentiras, inverdades, fazer uma costura para tentar me desmoralizar", diz Turnowski, candidato pelo PL.