Advogado sobre acusado de manter reféns em bar: ' ninguém foi impedido de sair'

Felipe Grinberg
Danilo Macedo, que raspou o cabelo dentro do bar, chegou na delegacia com toalha amarrada na cintura

RIO — Para os advogados de Danilo Macedo, acusado de manter sete pessoas como reféns em um bar da Lapa, ele teve um surto ao entrar no estabelecimento, ontem. No primeiro contato com seus defensores, o vendedor de caipirinha e produtor musical apresentava confusão ao tentar narrar toda a ação:

— Conversamos com ele e percebemos que ele estava visivelmente transtornado. Ele teve um surto muito grande. Não houve agressão, não houve ameaça. Ninguém foi impedido de sair.À medida que diziam que ia sair, saáam. Não vou dizer que foi programado, combinado e uma tarde de diversão, porque não foi. Ele perdeu a noção do que estava acontecendo — afirmou Álvaro Quintão, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ.

Ainda segundo Quintão, Danilo relatou que há poucos dias sofreu uma tentativa de homicídio após uma discussão, no mesmo bar:

— Há uma semana, ele sofreu uma tentativa de homicídio, esteve na delegacia procurando ajuda e não conseguiu. Existem filmagens da região que podem comprovar isso. Esperamos que a polícia possa apurar.

O advogado afirmou também que, apesar do bom trabalho dos negociadores, Danilo pode ter sido agredido no momento de sua prisão:

— Os negociadores sempre tentaram acalmá-lo. Mas ele relata que sofreu agressões. El não agrediu ninguém. Lá dentro, o clima era tranquilo e as pessoas confraternizaram. O Danilo diz que foi vítima da arma de choque, chutes e pancadas. Ele irá passar pelo exame de corpo de delito para descobrir a origem das escoriações que apresenta — disse.

Procuradas, a Polícia Civil e Militar ainda não se manifestaram sobre as declarações.