Advogados bolsonaristas pedem reunião com Fachin após ministro receber grupo pró-Lula

Um grupo de mais de mil advogados bolsonaristas articula um encontro com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, para debater o processo eleitoral. Incomodados com a reunião do ministro com um grupo de juristas ligados a movimentos de esquerda, os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) pedem isonomia por parte da Justiça Eleitoral.

Leia: Não toleraremos violência eleitoral, diz Fachin em reunião com grupo de advogados

Fachin se reuniu na terça-feira com o Grupo Prerrogativas, formado por advogados, especialistas, integrantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e professores, simpáticos à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em nota, os advogados, que dizem apoiar a reeleição de Bolsonaro, defendem o direito de "criticar e questionar" o processo eleitoral sem serem tachados de "negacionistas eleitorais", "fascistas" ou "antidemocráticos": "criticar e duvidar faz parte da essência humana e não pode a manifestação da dúvida e da crítica ser criminalizada como crime de opinião".

A iniciativa é liderada por Paulo Mafiolletti, coordenador do Movimento Advogados do Brasil junto da advogada Flávia Ferronato — influente entre bolsonaristas nas redes sociais. Mafiolletti organizou em 2018 uma campanha de advogados a favor da candidatura de Bolsonaro.

Mafiolletti diz "confiar no espírito público e democrático do presidente do TSE" e que não haveria motivos para deixar de recebê-los, mas que não planeja uma ação mais contundente caso Fachin recuse a reunião.

— Se o pedido não for atendido, demonstrará que há seletividade e partidarismo. (Vamos) apenas manifestar a situação nas redes sociais — afirma Mafiolletti, segundo quem a solicitação foi protocolada nesta tarde no TSE.

Ele é contrário ao manifesto pela democracia articulado pela Faculdade de Direito da USP, que alcançou na tarde desta quinta-feira mais de 250 mil assinaturas. Em seu Instagram, o advogado escreveu sobre o documento: "Essa elite burguesa burocrata da juristocracia e tecnocracia com os demais militantes querem pautar o povo brasileiro com seu discurso enviesado".

Fachin passa recado

O presidente do TSE voltou a dizer, na reunião de terça-feira, que a Justiça Eleitoral "não tolerará violência" durante as eleições de outubro, e "não medirá esforços para agir, a fim de coibir a violência como arma política e enfrentar a desinformação como prática do caos".

— Não toleraremos violência eleitoral, subtipo da violência política. A Justiça Eleitoral não medirá esforços para agir, a fim de coibir a violência como arma política e enfrentar a desinformação como prática do caos — afirmou o ministro.

O encontro serviu para a entrega da "Carta aos brasileiros", um manifesto em defesa da democracia que está sendo articulado por um grupo de empresários, juristas, artistas, intelectuais e esportistas.

Segundo Fachin, e sem citar nomes, o TSE não se curvará perante os ataques ao sistema eleitoral brasileiro e às urnas eletrônicas.

— O TSE não está só, porquanto a sociedade não tolera o negacionismo eleitoral. O ataque às urnas eletrônicas como pretexto para se brandir cólera não induzirá o país a erro. Há 90 anos, criamos a Justiça Eleitoral para que ela conduzisse eleições íntegras e o Brasil confia na sua Justiça — disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos